Jesus está em todo o Antigo Testamento

novembro 15, 2012 3 comentários

“Examinais as Escrituras, porque vós cuidais ter nelas a vida eterna, e são elas que de mim testificam;”(João 5:39)

Desde o princípio da Bíblia a vida de Jesus é anunciada “desfaçadamente” nas entrelinhas. Toda a obra do Filho está na história de pessoas que Deus selecionou. Isso aponta para o nosso Messias num nível muito mais profundo do que podemos imaginar. A Palavra de Deus possui uma densidade profética exuberante. O Eterno fez de Jesus o ator principal da grande história de Deus na Terra.

Adão

O primeiro homem de todos e gerador da humanidade. Adão era como um filho de Deus e elegido para ser o cabeça da criação da terra. Por ter comido o fruto proibido houve um decaimento espiritual muito acentuado em Adão e toda a sua descendência, isto é, a raça humana (Gênesis 3). O primeiro pecado foi uma herança espiritual que instigou o homem a se apartar de Deus (Romanos 5:12);

  • Jesus é o cabeça de toda a Criação e tudo foi feito para ele e por ele, e ele é e o princípio de todas as coisas (Romanos 11:36). Nosso Mestre é o segundo Adão que veio para reparar a herança maldita da queda do primeiro Adão através da expiação do seu sangue na Cruz (1 Coríntios 15:45) e a sua obra de mediação entre Deus e os homens (1 Timóteo 2:5 ).

Enoque

Andou com Deus e foi tão íntimo d’Ele que foi arrebatado para o Céu(Gênesis 5:24);

  • Jesus veio do Céu e é quem mais conhece o Pai (Mateus 11:27). Após ter ressuscitado, Cristo ascendeu aos Céus vivo e em carne (Marcos 16:19) para a sua antiga glória ao lado do Senhor (João 17:5). A grande diferença entre a ascensão de Jesus e a de Enoque é que este foi arrebatado por Deus, porém Jesus se arrebatou. Em João 3:13 Jesus disse que ninguém jamais subiu ao Céu, a não ser ele mesmo. A palavra que Cristo utiliza no grego é “anabaiano”, que significa subir com as suas próprias forças.

Noé

Deus o chamou para construir e se abrigar numa Arca e salvar a ele, sua casa e os animais da destruição das águas do Dilúvio que sobreveio em toda a Terra por causa dos pecados das pessoas (Gênesis 8:15);

  • Na segunda vinda de Cristo, ele virá para trazer juízo e salvar o remanescente dos que creram e confiaram em seu nome. Ele disse que será semelhante aos dias de Noé, onde foi repentino e ninguém no mundo aguardava tamanha catástrofe (Lucas 17:26);

Melquisedeque

Era ao mesmo tempo o rei e o principal sacerdote da cidade de Salém, que na verdade é a Jerusalém que conhecemos. Recebeu o dízimo de todos os dos bens do patriarca Abraão, o escolhido para gerar a nação de Israel, o qual fez uma aliança com ele com pão e vinho (Gênesis 14:18-20);

  • Jesus é tanto o Rei dos reis como o Sumo Sacerdote da Nova aliança (Apocalipse 19:16). Ele reinará na Nova Jerusalém, a cidade de Jerusalém celestial que descerá a Terra (Apocalipse 21:2), para sempre. Jesus anunciou que a sua morte deve ser lembrada com o pão e o vinho, para representar a sua carne o seu sangue derramado na Cruz por todos (Mateus 14:22). O apóstolo Paulo fala sobre Melquisedeque representar a Cristo (Hebreus 7)

Abraão

Deus fez uma aliança com ele e sua descendência para que eles fossem seu povo particular na Terra (Gênesis 17:2). Um dia o Senhor testou a sua confiança e lealdade fazendo-o subir a um monte e ver se ele teria coragem de sacrificar a seu único filho (Gênesis 22);

  • O Pai Celestial ofereceu a Jesus em sacrifício pelos pecados dos homens (João 3:16). As pessoas só se achegam a Deus através da aliança do sangue de Cristo. Seu povo não vem de aliança de descendência de sangue terreno, como foi com Abraão, mas a todos os fiéis que recebem a Jesus em seus corações (João 1:13).

Isaque

Abraão ordena a seu servo e braço direito Eliezer, que governava tudo o que ele possuía, para que vá buscar uma esposa ao seu único filho, Isaque, na região de seus pais. Eliezer pede um sinal ao Senhor e é revelado miraculosamente Rebeca. Ela e sua família se alegram e a noiva é trazida para o seu noivo enquanto ele meditava no campo (Gênesis 24).

  • Jesus é chamado de Noivo da Igreja, o povo eleito de Deus (Mateus 25, Lucas 5:34, João 3:29). Abraão representa o Pai, Eleazer, o Espírito Santo dado para se mover na Terra no lugar de Cristo (João 14:16), e o filho Isaque seria Jesus. Quando o Espírito Santo arrebatar a Igreja para o Céu ao encontro do Noivo, será realizada a grande festa celestial do Casamento e das Bodas do Cordeiro, preparada pelo Pai (Apocalipse 19:7).

José

O pai de José o amava mais do que a todos os outros filhos por tê-lo gerado na velhice. Até mesmo sua túnica colorida era diferenciada da dos demais (Gênesis 37:3). Esse carinho causava uma fervente inveja nos meios-irmãos (Gênesis 37:4);

  • Jesus é o Filho preferido do Pai Celestial por ser o primeiro, legítimo e viveu com ele eternamente (João 1). Quando ele se revelava aqui na Terra, o modo grandioso de como Deus operava através do Messias era motivo de furor dos fariseus e sacerdotes (Mateus 27:18);

José teve um sonho profético que anunciava que a sua família iria se inclinar a seus pés (Gênesis 37:8). Essa promessa era por demais exagerada aos olhos dos seus irmãos, para piorar o ardor de ira deles (Gênesis 37:9-11);

  • A aparência exterior simples e humilde de Jesus tornava o seu verdadeiro valor fácil de ser subestimado aos olhos altivos. Quando a identidade de Cristo como o Filho de Deus era revelada, havendo conformidade com a Palavra (veja o estudo Quem é Jesus), os religiosos achavam isso uma intragável blasfêmia (João 8:58);

José foi preso e vendido pelos irmãos como escravo para o Egito por trinta moedas de prata (Gênesis 37:26-28). Mentiram para o seu pai a respeito da história, dizendo que ele foi morto (Gênesis 37:31-33);

  • Os sacerdotes e fariseus prenderam a Jesus e o crucificaram por trinta moedas de prata. Depois da sua ressureição mentiram para todo o povo sobre o seu ressurgimento testemunhado pelos mesmos guardas que eles designaram para guardarem o sepulcro (Mateus 28:15).

José prosperou na casa do faraó e este o entregou para tomar conta de tudo o que tinha em suas mãos (Gênesis 39:4). A esposa do faraó seduzia-o para se deitar com ele, porém José sempre recusava decisivamente (Gênesis 39:8,9). Frustrada, ela acabou mentindo acusando-o de tê-la forçado para um estupro (Gênesis 39:10-19).

  • Embora o Senhor não se regalasse de riquezas materiais, enquanto ele operava milagres, multidões vinham e sua fama se espalhava rapidamente (Mateus 1:28, 14:1) a ponto de muitos terem desejado fazê-lo rei sobre si (João 6:15). Enquanto recebia tão grande assédio público, seu coração não se envaideceu.  Ele não confiava nos homens (João 2:25) e não atentava para as coisas terrenas. Cristo foi tentado de todas as formas para se contaminar com o pecado e o próprio satanás aparecia a ele para corrompê-lo por, pelo menos, várias vezes (Mateus 4). Ele venceu essas provações e conseguiu ser o único homem sem pecado, desde o seu nascimento, que viveu na Terra (Romanos 3:23-24).

Por esta falsa acusação José foi lançado no cárcere do faraó. No entanto, mesmo ali o Senhor o abençoou. O carcereiro-mor o entregou todos os presos em suas mãos. José interpreta o sonho de dois homens companheiros e eles se cumprem. Um é visto como condenado e, o outro, liberto da prisão (Gênesis 40).

  • Jesus também morreu por falsas acusações (Mateus 26:60). Por algum período de sua morte ele desceu até as profundezas da Terra (Efésios 4:9). A Bíblia diz que mesmo morto as suas obras ainda estavam em curso. No coração da Terra, havia de um lado o Paraíso ou Ceio de Abraão e, do outro, separado por um grande abismo, o Inferno ou Ades (Lucas 16:26). Ele tomou a chave da morte e do inferno das mãos de satanás (Apocalipse 1:18) e pregou para os espíritos em prisão que não tiveram chance que conhecer a Verdade (1 Pedro 3:19). Como os servos do faraó, podemos inferir que parte dessa multidão de almas foi remida e parte foi rejeitada pelo Senhor.

Depois de muitos anos o faraó se perturba por causa de pesadelos persistentes que havia um significado. Buscam-se os sábios e adivinhadores do Egito para que o discirna. José é chamado pelo seu dom de interpretação de sonho na presença do faraó. Ele revela tudo isso representa uma mensagem divina informando que haverá sete anos de fartura e sete anos de seca na terra. O moço ainda se adianta com uma estratégia para criar uma poupança de grãos que pode salvar as pessoas nos tempos carência. O líder do Egito se maravilha com ele e o elege como o segundo homem de maior autoridade de seu povo e principal encarregado dessa grande missão. Tu estarás sobre a minha casa, e por tua boca se governará todo o meu povo, somente no trono eu serei maior que tu.” (Gênesis 41).

  • Depois da ressureição de Cristo, ele é exaltado por Deus e a ele é dado um “nome que está acima de todo o nome para que ao nome de Jesus se dobre todo o joelho que está no Céu, na terra e debaixo da terra” (Filipenses 2:9). Jesus recebe todo o poder e autoridade e ele se assenta a direita de Deus Pai (Mateus 28:18, Atos 2:33).  

Conforme o sonho, os tempos de escassez vieram e a fome se instalou numa região vasta na terra. Tanto os egípcios como muitos povos vizinhos eram dependentes das mãos José para comprarem dos grãos estocados nos armazéns ao longo dos anos. Ao final do tempo de sequidão, José ainda possuía grãos, todavia o Egito não tinha mais dinheiro para comprar comida. Para não morrerem de fome, o povo se rendeu a ele a tal ponto que entregaram as suas próprias em arrendamento. Assim, todos os bens do Egito foram reunidos a José, o segundo no governo. (Gênesis 41-42)

  • Assim como José era menor em autoridade que o faraó, Jesus é menor do que o Pai (João 14:28), no entanto, tudo foi entregue nas mãos do nosso Messias (João 3:35). Ele é o “Caminho, a Verdade e a Vida” e sem ele, ninguém vai ao Pai (João 14:6). Faraó deu a José o anel do seu próprio dedo, que quer dizer a sua autoridade. O Pai delegou toda a autoridade para o seu Filho (Mateus 28:18). Não há outro nome que possa ser invocado para a salvação eterna (Atos 4:12). A Bíblia diz que não podemos fazer nada sem Jesus (João 15:5), que tudo o que pedirmos em seu nome receberemos (João 14:13) e sem ele morreremos em nossos pecados (João 8:24). O Pai o elegeu para trazer “vida, e vida com abundância” (João 10:10), e quem rejeitar a Cristo rejeita ao Pai que o enviou (João 10:16). As dificuldades e os transtornos no mundo são formas de Deus fazer com que as pessoas se despertem para o seu Filho.        

A família de José é severamente afetada pela seca que se alastrou até a próspera Canaã. O pai Jacó encomenda dez de seus filhos ao Egito em busca de mantimento. Os rapazes chegam ao centro de distribuição dos grãos e, sem reconhecerem a José (por causa da sua aparência egípcia), se prostram perante ele, conforme o sonho. José se aproveita disso para testar o coração dos seus irmãos. Ele queria saber se verdadeiramente haviam se arrependido de tê-lo expulsado do seio do seu doce lar. Para tanto, utilizando um intérprete, acusa-os de serem espiões e, com questionamentos para apanhá-los em contradições, força-os a trazerem o irmão caçula Benjamin que mencionaram nesta entrevista.

Enquanto José, no seu disfarce, os apavorava com uma aparência severa e com duras acusações, deixava escapar que os amava, como: devolver o dinheiro dentro do saco na viajem de volta, repetidas vezes importar-se em saber como está Jacó e, voltando eles de Canaã, convidá-los a casa sua própria casa para um banquete, chorar escondido logo depois de ver Benjamin, ser cuidadoso em colocar o lugar da mesa de cada irmão em ordem de idade e, por último, dar uma porção para Benjamin cinco vezes maior que a dos outros.

A provação final é quando José, antes de despedi-los, esconde um copo de prata no saco de trigo de Benjamin. No caminho da estrada eles são surpreendidos e trazidos de volta. José diz que Benjamin deve ser escravo por causa deste crime. Os irmãos, angustiados, e se oferecem na frente de Benjamin, pois, dizem eles, um dentre eles é morto (José) e o pai Jacó não iria resistir a mais um grave luto.

Vendo a sinceridade do coração deles, e como pareciam arrependidos do mal que fizeram a José, este levanta uma voz de choro. Todos se espantam muito e José diz: “Eu sou José vosso irmão, a quem vendestes para o Egito”. Ele explica que o que aconteceu consigo era um maravilhoso plano de Deus para que fosse salva a terra da sequidão inevitável através da sua governança. Ele separa a região de Gósen, o lugar mais fértil do Egito, para que toda a sua família viva em paz junto de si. (Gênesis 42-45)

  • Os judeus que rejeitaram a Jesus sofrem fome espiritual por não reconhecerem o seu Messias, o Pão da Vida que desceu do Céu (João 6:48). Manter-se-ão em aperto até o dia que voltarem para o seu Messias (Lucas 13:35). Como José compreendeu o motivo de Deus permitir as suas angústias, apesar de ser difícil de entender inicialmente, tamanho sofrimento com o Filho de Deus foi um plano do Eterno para salvar o mundo (João 3:16).Tal como José, Jesus é especialista em provar os corações para saber se verdadeiramente o amam. Ele não quer reinar com fingidores (1 Tessalonicenses 2:4, Apocalipse 3:10). Ao contemplar as desgraças presentes no mundo, parece que Deus é muito severo e insensível, mas o Espírito Santo chora pelas vidas (Romanos 8:26) assim como José chorava secretamente pelos seus irmãos. A motivação de Deus é boa, mas os nossos pecados nos afasta do seu amor (Salmos 24:3-4)). Os aprovados se tornarão dignos de receberem grandes galardões das mãos do Mestre. Cristo irá reservar a melhor parte do seu reino aos seus irmãos fiéis, pois receberemos mais honra do que os anjos.   

Moisés

Convocado pelo Senhor para ser o libertador de todo o povo da escravidão do Egito (Êxodo 3); o único que intercedia do Senhor às pessoas e falava com o Todo Poderoso face a face, “como quem fala a um amigo” (Êxodo 33:11);

  • Jesus é o Salvador que traz e vida eterna e liberta os homens da escravidão do pecado (João 8:34). Ele é o único advogado, intercessor e mediador entre Deus e a Criação (1 João 2:1); seu relacionamento com Deus é pleno e eles são Um (João 10:30, 17:11).

Jonas

O Senhor o ordena para que vá avisar o povo de Nínive a se arrependerem de seus pecados. Jonas foge da presença de Deus a outra terra por desejar que esta cidade seja ignorante do juízo divino a fim de que caiam em condenação por sua omissão. O profeta entra num navio de mercadores para a sua rebelde viagem. Em alto mar, enquanto ele dormia no interior do navio, uma tempestade devastadora surpreende a todos. Os tripulantes o acordam e interrogam a Jonas sobre quem ele era para que venham a detectar a fonte desta tragédia dos deuses. Jonas responde que a ira de Deus está sobre ele e que a solução seria que eles o lancem no mar. Relutantemente fazem isso e de imediato o temporal se amaina, sobrevindo um grande temor a todos. Se não fosse pouco, Deus ainda manda uma baleia engolir a Jonas. Dentro do peixe ele clama ao Senhor e, em três dias, o Altíssimo fala ao peixe para vomita-lo na praia. O profeta se arrepende de sua loucura e prega ao povo de Nínive que o Senhor desejava destruí-la em quarenta dias. Eles se humilham em panos de saco, cinza e jejum até que são perdoados da ira dos Céus. (livro de Jonas do AT)

  • Assim como Jonas, Jesus já dormiu no interior dum navio em profundo sono enquanto lá fora uma terrível tempestade assombrava a todos (Mateus 8:28). A tempestade de Jonas vinha de Deus para destruí-lo devido a sua desobediência. A de Cristo era satanás desejando matá-lo por causa de sua obediência a Deus. A tempestade de Jonas se acalmou quando este foi lançado por inteiro no mar. A de Cristo foi com sua palavra de repreensão à natureza. Jonas, um rebelde diante do Senhor, deveria ser lançado no mar para que todos os homens dali fossem salvos. A ira de Deus também foi lançada em Jesus, o Filho amado e obediente (Mateus 3:17), como expiação para que a humanidade inteira possa encontrar a salvação pelo seu precioso sangue. Jonas passou três dias e três noites no interior da baleia. Jesus disse que ele passaria três dias e três noites “no seio da terra” e que este seria o “sinal de Jonas” (Mateus 12:38-39). Depois que Jonas saiu da baleia, ele pregou a Nínive com grande ousadia, poder e unção. O Jesus ressurreto governa assentado à direita de Deus Pai (Lucas 22:69, Atos 7:55).

Elias

Um profeta que “habitava perante a face de Deus” (1 Reis 18:15) e que realizou grandes sinais até então inéditos no meio do povo de Israel, como: abriu o rio Jordão com a sua capa (2 Reis 2:8); ressuscitou um  garoto (1 Reis 17:21-23); profetizou sobre o céu, que só deveria chover com a sua palavra (1 Reis 17:1), tendo ocorrido três anos depois (1 Reis 18:44); 102 homens são consumidos por fogo do céu segundo o seu comando em dizer “se sou homem de Deus desça fogo do céu” (2 Reis 1:10), etc. No fim do seu ministério, Elias é arrebatado em vida para o Céu através de um carro e um cavalo de fogo (2 Reis 2:11), deixando a sua capa ou manto para seu discípulo, Eliseu, o qual recebe a porção dobrada da unção do seu mentor como o seu último pedido (2 Reis 2:9-10).

  • Jesus também operou milagres como Elias, porém numa dimensão bem maior em todos os sentidos. O ministério deste profeta com a sua ousadia, sinais e intimidade com o Altíssimo prefigurava o caráter de Cristo no meio da Terra. Antes de subir ao Céu, ele deixou o seu manto. Isso significa a sua unção (eleição de autoridade espiritual) para Eliseu. Jesus fez a mesma coisa para conosco. Ele disse que, se crêssemos, faríamos obras maiores do que ele fez, porque ele iria deixar a Terra para subir ao Pai (João 14:12). Cristo nos fez seus embaixadores do seu Reino (2 Coríntios 5:20).

Há muitos outros exemplos que apontam para o Mestre. Se eu fosso falar de tudo, não caberia aqui.

A Bíblia diz que Jesus é a Palavra de Deus:

“E vi o céu aberto, e eis um cavalo branco; e o que estava assentado sobre ele chama-se Fiel e Verdadeiro; e julga e peleja com justiça. E os seus olhos eram como chama de fogo; e sobre a sua cabeça havia muitos diademas; e tinha um nome escrito, que ninguém sabia senão ele mesmo. E estava vestido de uma veste salpicada de sangue; e o nome pelo qual se chama é a Palavra de Deus.” (Apocalipse 19:11-13)

No princípio era a Palavra, e a Palavra estava com Deus, e a Palavra era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez.” (João 1:1-3)

A palavra é um instrumento de comunicação. Então podemos dizer que Jesus é a Palavra de Deus pois Cristo, a “expressa imagem” de Deus (Hebreus 1:3), é a Comunicação de Deus para a Criação.  Vejam novamente o que Cristo diz:

“Disse-lhe Filipe: Senhor, mostra-nos o Pai, o que nos basta. Disse-lhe Jesus: Estou há tanto tempo convosco, e não me tendes conhecido, Filipe? Quem me vê a mim vê o Pai; e como dizes tu: Mostra-nos o Pai? Não crês tu que eu estou no Pai, e que o Pai está em mim? As palavras que eu vos digo não as digo de mim mesmo, mas o Pai, que está em mim, é quem faz as obras.” (João 14:8-10)

Jesus Cristo no livro apócrifo de I Enoque

fevereiro 24, 2012 20 comentários

A caminhada de Enoque

Uma das pessoas que andou mais próximas de Jesus em vida foi o profeta Enoque. Não estranhe o fato de que este profeta viveu num tempo muito antes da história de Jesus em carne na Terra, pois lembre-se que o nosso Messias é o Filho eterno de Deus que criou o mundo (João 1:1). Enoque é pouco conhecido e o que sabemos da sua vida é uma das coisas mais impactantes da Bíblia.

O grau de intimidade que Enoque alcançou é tão interessante pelo fato de que ele não morreu ainda. O Senhor o tomou vivo. Em outras palavras, a sua comunhão com Deus dada na Terra ainda está em continuidade no Céu. Talvez isso tenha ocorrido com outros em tempos recentes, mas não há menção escrita de ninguém no Novo Testamento de tal fato, exceto é claro o do próprio Jesus. O grande arrebatamento da Igreja ou Noiva é uma promessa de Jesus que está para se cumprir (1 Tessalonicences 4:16, João 5:29, 1 Coríntios 15:52).

“E viveu Enoque sessenta e cinco anos, e gerou a Matusalém. E andou Enoque com Deus, depois que gerou a Matusalém, trezentos anos, e gerou filhos e filhas. E foram todos os dias de Enoque trezentos e sessenta e cinco anos. E andou Enoque com Deus; e não apareceu mais, porquanto Deus para si o tomou.” (Gênesis 5:21-24)

Paulo diz que ele foi trasladado para a Casa de Deus sem conhecer a morte simplesmente porque teve fé que Deus o aceitaria:

“Pela fé Enoque foi trasladado para não ver a morte, e não foi achado, porque Deus o trasladara; visto como antes da sua trasladação alcançou testemunho de que agradara a Deus”. (Hebreus 11:5)

Os registros

Certamente todos os cristãos gostariam de ser abençoados com mais registros deste varão incomum. É difícil pensar nesta possibilidade quando se trata de alguém que é da 7ª geração depois de Adão e viveu antes do dilúvio de Noé.

O que pouca gente não sabe é que há manuscritos que reclamam a sua autoria. O livro de I Enoque é considerado um apócrifo pela maior parte dos cristãos e judeus de hoje. Isso quer dizer que oficialmente as pessoas não o reconhecem como algo que é legitimamente inspirado por Deus e, portanto, são palavras com revelações erradas ou falsificadas, carecendo de respaldo e testemunho.

Tudo não acaba por aí. É impressionante que o livro de I Enoque também é citado no livro de Judas, do Novo Testamento:

E destes profetizou também Enoque, o sétimo depois de Adão, dizendo: Eis que é vindo o Senhor com milhares de seus santos;
Para fazer juízo contra todos e condenar dentre eles todos os ímpios, por todas as suas obras de impiedade, que impiamente cometeram, e por todas as duras palavras que ímpios pecadores disseram contra ele.” (Judas 1:14-15 e I Enoque 1:9)

Mas para não alongar, apenas compreenda que ele é composto de 108 capítulos e é dividido em 5 partes:

  • 1-36 O Livro dos Vigilantes
  • 37-71 O Livro das Parábolas
  • 72-82 O Livro Astronômico
  • 83-90 O livro dos Sonhos
  • 91-108 A Epístola de Enoque

Evidências proféticas

O Livro das Parábolas é o mais interessante. Ela se concentra na revelação do futuro Messias judeu. Segundo testes de datação de carbono com estudos liderados pelo Rev. H.R Charles, a cópia existente mais antiga foi escrita de 64 a 94 anos antes de Cristo.

É muito bom saber que datam de antes da vinda ao mundo do Mestre porque, caso tivessem sido escritas após sua vida, não poderíamos certificar se foram forjadas com informações já conhecidas. Desse jeito qualquer um poderia criar seus próprios falsos manuscritos de profecias! Agora, para saber se estas revelações são, em particular, inspiradas por Deus, é só verificar se elas andam em conformidade com o que Jesus, o nosso Messias amplamente confirmado ensinou, ou melhor, se as profecias estão em harmonia. Paulo diz que ninguém pode dizer que Jesus é o Senhor se não for pelo Espírito de Deus (1 Coríntios 12:3), portanto, se isso glorifica ao nome de Jesus, então é inspirado por Deus! Vamos conferir?

Está em negrito todas as vezes que faz referências ao Messias. Esta tradução é de H.R Charles.

“E ouvi as vozes daquelas quatro presenças como proferindo louvores diante do Senhor da Glória. A voz do primeiro abençoa o Senhor dos espíritos para sempre e eternamente. E a segunda voz que ouvi abençoando ao Eleito e aos eleitos que se apoiaram sobre o Senhor dos Espíritos.” (I Enoque 40:3-6)

-O Messias está diante do Senhor dos Espíritos (Deus);

-O Messias é distinto de todos os outros eleitos;

-Deus está no ponto mais alto de honra, logo depois vem o Messias e os eleitos abaixo deste.

“Naquele dia o meu Eleito se assentará sobre o trono de glória e fará as suas obras e seus lugares de descanso serão inumeráveis. E suas almas [dos santos] deverão crescer fortalecidas dentro deles quando virem o meu Eleito, e aqueles que são chamados pelo meu Nome glorioso: Então farei com que o meu Eleito habite com eles. E eu vou transformar o Céu e torná-lo uma bênção eterna e luz(…)” (I Enoque 45:3-4)

-Deus demonstra ter uma consideração muito especial pelo Messias;

-O Messias seria engrandecido um dia futuro num honroso trono com muita abundância para si;

-Sua glória estava para ser exibida num dia futuro para as pessoas;

-Aqueles que o virem e se apoiassem no Messias seriam fortalecidos e, em paridade com este evento, haveria a restauração dos Céus.

“E lá eu vi que havia um Ancião de dias [Pai Celestial], e sua cabeça era branca como a lã, e com Ele estava outro ser cujo semblante tinha a aparência de um homem, e seu rosto estava cheio de graça, como um dos santos anjos. E eu perguntei ao anjo que foi comigo e que me mostrou todas as coisas ocultas, sobre que este Filho do homem, quem ele era e de onde era e por que ele andava Ancião de Dias? E ele respondeu e disse-me: Este é o Filho do homem que tem a Justiça, com quem habita a Justiça, e que revela todos os tesouros do que é escondido, porque o Senhor dos Espíritos o elegeu, e cujo destino tem a pré-eminência diante do Senhor dos Espíritos em retidão para sempre. E este Filho do Homem que viste levantará reis e poderosos de seus lugares, e fortes de seus tronos e soltar as rédeas do forte, e quebrar os dentes dos pecadores. E porá abaixo os reis de seus tronos e reinos porque eles não o exaltarão nem o louvarão, nem reconhecerão humildemente que os seus reinos foram dados de cima. E Ele porá abaixo o semblante do forte, e deverá preenchê-los com vergonha. E a escuridão será sua habitação e vermes serão sua cama, e eles não têm esperança de levantar de suas camas porque eles não exaltam o nome do Senhor dos Espíritos”. (I Enoque 45:1-6)

-O Pai Celestial é um Ancião de Dias;

-O Messias tem uma aparência de um homem;

-O Messias já habitava na presença de Deus numa posição superior aos anjos do Céu antes de vir ao mundo, tendo toda a pré-eminência;

-Deus o elegeu, e no Messias habita a Justiça;

-Através do Messias Deus irá revelar todas as coisas a Criação;

-O Messias irá fazer julgamento nos grandes da terra que não o louvarem e nem o nome de Deus.

E naquele lugar eu vi a Fonte da Justiça que era inesgotável: E em torno dela havia muitas fontes de sabedoria: E todos os sedentos beberam delas e estavam cheios de sabedoria, e as suas habitações foram entre os justos, os santos e os eleitos. E a nessa hora aquele Filho do Homem foi invocado na presença do Senhor dos Espíritos e seu nome perante o Ancião de Dias. Sim, antes que o sol e os sinais fossem criados, antes que as estrelas do céu fossem feitas, seu nome foi invocado perante a presença do Senhor dos Espíritos. Ele será um apoio para os justos os quais se firmarão e não cairão, e Ele será a luz dos gentios e a esperança daqueles que são aquebrantados de coração. Todos os que habitam na Terra se prostrarão e o adorarão, e o louvarão, e irão bendizer e festejar com canções ao Senhor dos Espíritos. E por esta razão tem Ele sido escolhido e escondido diante dEle antes da criação do mundo e para sempre. E pela sabedoria do Senhor dos Espíritos Ele foi revelado para o santo e justo, pois Ele tem preservado a sorte dos justos porque eles odiaram e desprezaram este mundo de iniqüidade e por terem odiado todas essas obras e caminhos em nome do Senhor dos Espíritos: Porque em Seu nome eles são salvos, e de acordo com a Sua boa vontade que Ele tem preservado as suas vidas. Nestes dias, os reis da Terra se tornarão abatidos de semblante, e o valente que possui a terra por causa das obras das suas mãos, no dia da sua angústia e aflição, não será capaz de salvar-se. E eu lhes colocarei nas mãos do Meu Eleito: como a palha no fogo para eles queimarão diante da face do Santo: Como o conduzir das águas eles afundarão ante a face dos justos, e nenhum vestígio deles deve mais ser encontrado. E no dia em que ocorrerem suas aflições haverá descanso na terra, e eles cairão e não se levantarão mais uma vez: e não haverá ninguém para erguê-los com as mãos e levantá-los, pois eles negaram o Senhor dos Espíritos e Seu Messias. (I Enoque 45:1-10)

-O Messias habitava na presença de Deus antes que todas as coisas fossem criadas;

-Ele seria apoio para os justos, luz para os gentios (não judeus) e esperança daqueles de coração humilde;

-Ele deveria ser adorado como Deus é adorado, e exaltar a um deles não contrapõem o outro, mas fortalece ambos como se fossem um;

-A revelação da glória do Messias um segredo de Deus ansiosamente aguardado antes da criação do mundo;

-Pelo nome do Messias e pela sua boa vontade as pessoas seriam salvas da condenação;

-O Messias faria grande juízo sobre aqueles que negarem o nome dele e o nome de Deus.

Pois a sabedoria é derramada como água, e não faltará glória diante dele para sempre. Porque Ele é poderoso em todos os segredos da justiça, e a injustiça desaparecerá como uma a sombra, e ela não têm continuidade; Porque o Eleito permanece diante do Senhor dos Espíritos e sua glória é para sempre e sempre, e o seu poder a todas as gerações. E nEle habita o espírito de sabedoria, e do Espírito que dá a inteligência, e o espírito de entendimento e de força, e o espírito daqueles que dormem na retidão. E Ele julgará as coisas secretas, e ninguém será capaz de pronunciar uma palavra mentirosa diante dEle, porque ele é o Eleito perante o Senhor dos Espíritos segundo a sua boa vontade. (I Enoque 49:1-9)

– No Messias habita o espírito de sabedoria, de inteligência, de entendimento, de força, e daqueles que dormem em retidão. Ele tem todos os atributos divinos de poder;

-O Messias será o Juiz de todas as coisas.

E, naqueles dias, certamente a Terra também deverá devolver o que foi confiado para ela, e a sepultura também deverá devolver o que recebeu, e o inferno irá dar de volta aquilo que possui. Porque naqueles dias o Eleito se levantará e Ele vai escolher os justos e santos de entre eles: Porque tem se aproximado o dia em que eles serão salvos. E o Eleito naqueles dias irá se assentar no Meu trono, e da sua boca jorrará todos os segredos da sabedoria e do conselho: Porque o Senhor dos Espíritos os deu para Ele e o glorificou. E, naqueles dias, as montanhas saltarão como carneiros, as colinas também saltarão como cordeiros satisfeitos com leite, e os rostos de todos os anjos no céu serão iluminados com alegria. E a Terra se alegrará, e os justos habitarão nela, e o eleito irá andar sobre ela. (I Enoque 51:1-3)

– Um dia, todas as pessoas que morreram ressuscitarão da terra e do mar;

-O Messias irá, pessoalmente, escolher dentre os ressurretos quais haveriam de ser salvos;

-O Messias iria se assentar no próprio trono de Deus;

-O Messias teria todo o entendimento e sabedoria de Deus;

-Toda a criação se alegrará e a glória de Deus será grande no Céu e na Terra.

E eu perguntei ao anjo que foi comigo, dizendo: “Que coisas são essas que eu tenho visto em segredo?” E disse-me: “Todas essas coisas que tens visto servirá ao domínio do seu Messias para que Ele possa ser forte e poderoso na terra.” (I Enoque 52:3-4)

-Todas as coisas na Terra são feitas para a glória do Messias.

Deus, o Senhor dos Espíritos. Vós, reis poderosos que habitam sobre a terra, vocês devem ver o Meu Eleito, como Ele está sentado no trono de glória e faz julgamento a Azazel (Lúcifer), e todos os seus seguidores (anjos caídos, demônios), e todos os seus exércitos em nome do Senhor dos Espíritos. (I Enoque 54:4)

-Deus quer chamar a atenção para o Messias, pois demonstra ter prazer nele;

-Deus fará com que este fosse glorificado sobremaneira diante dos homens e dos anjos;

-O Messias iria julgar Satanás e todos os seus exércitos (demônios e homens ímpios).

E essas medidas devem revelar todos os segredos das profundezas da terra, e aqueles que foram destruídos pelo deserto, e aqueles que foram devorados pelos animais selvagens, e aqueles que foram devorados pelos peixes do mar, que eles possam retornar e estarem firmes no dia do Eleito, pois ninguém deverá ser destruído perante o Senhor dos Espíritos, e não podem ser destruídos. E todos os que habitam acima no Céu receberam um comando e poder e uma só voz e uma luz semelhante ao fogo. E foi para Ele que aquelas palavras de benção foram destinadas, e o exaltou e louvou com sabedoria, e eles foram sábios em seus dizeres e no espírito da vida. E o Senhor dos Espíritos colocou o Eleito no trono de glória. (I Enoque 61:5-8)

-Os homens justos que morreram em todas as partes do mundo seriam restaurados;

-Eles seriam apresentados diante do Messias;

-Todo o Céu se alegrou com o Messias e exaltou o seu nome;

-Deus engrandeceu ao Messias no seu merecido trono;

Semelhanças com o livro de Daniel

A descrição a respeito do Messias no livro de I Enoque se parece muito com trechos do livro de Daniel, do AT da Bíblia:

Eu [Daniel] continuei olhando, até que foram postos uns tronos, e um Ancião de dias [Pai Celestial] se assentou; a sua veste era branca como a neve, e o cabelo da sua cabeça como a pura lã; e seu trono era de chamas de fogo, e as suas rodas de fogo ardente. Um rio de fogo manava e saía de diante dele; milhares de milhares o serviam, e milhões de milhões assistiam diante dele; assentou-se o juízo, e abriram-se os livros. (…) Eu estava olhando nas minhas visões da noite, e eis que vinha nas nuvens do céu um como o Filho do Homem; e dirigiu-se ao Ancião de dias, e o fizeram chegar até ele. E foi-lhe dado [para o Filho do Homem] o domínio, e a honra, e o reino, para que todos os povos, nações e línguas o servissem; o seu domínio é um domínio eterno, que não passará, e o seu reino tal, que não será destruído. 
Daniel 7:9-10 e 13-14

Maria, mãe de Jesus, aos olhos das Escrituras

setembro 27, 2011 8 comentários

Sem dúvida é uma pessoa formidável e que possui lugar de honra na história de Deus na terra. Foi escolhida pelo Senhor pra ser a mãe de Cristo, o Filho de Deus! Muitas vezes as pessoas ficam confusas com relação a identidade de Maria. Devemos orar por ela ou somente por Jesus? Ela é nossa mãe ou irmã em Cristo no Reino do Pai? Ela tem atributos divinos ou foi tão carente de ser lavada pelo sangue de Cristo como nós somos? O que posso responder a estas pessoas é que elas precisam mergulhar na Palavra de Deus para descobrirem por si mesmas quem é esta mulher. Por ignorância nas Escrituras, nossa salvação eterna pode ser comprometida pelo fato de que a forte tradição e religiosidade poderem criar uma imagem paralela à verdade estabelecida nos testemunhos bíblicos.

O relacionamento descrito entre de José e Maria

Na história relatada, José, o noivo, fica sabendo que Maria estava grávida de Jesus antes de se casarem .Por pensar que ela havia desandado com outro, ele resolve deixá-la, sem estardalhaço, para não causar transtorno e macular a dignidade da mulher. No caminho da fuga, José adormece no deserto. Vem um sonho com revelação divina para ele fornecendo o esclarecimento do mal entendido, sabendo agora do que sua noiva havia tentado lhe dizer: o filho nasceu do Espírito Santo (Lucas 1:35). Em Mateus 1:24 diz: “E José, despertando do sono, fez como o anjo do Senhor lhe ordenara, e recebeu a sua mulher. Aqui, tanto o ato de José se comportar desta maneira na decisão de fugir, quanto o que disse sobre Maria ser recebida como sua mulher (posteriormente) encaixa-se contextualmente como uma relação para ser um casal comum. Se Maria tivesse que ser apenas uma companheira de amizade, José não deveria se decepcionar tanto por supor um estupro ou adultério. Ele pensaria assim: “Foi mesmo? Um anjo apareceu e tudo mais…? Uau!”. O caso foi mais ou menos assim: “Nossa, minha prometida engravidou! Estou triste! Seja por qual quer que seja o motivo, não diga mais nada. Vou embora e interrompo nosso noivado em paz”.

Em Mateus 1:25 diz: “E não a conheceu [José a Maria intimamente] até que deu à luz seu filho, o primogênito[do casal]; e pôs-lhe por nome Jesus”. A expressão idiomática hebraica escolhida para “conhecer” é igual a coabitar e procriar (veja Gênesis 4:1,17,25,19:5 e 1Samuel 1:19). Diz que José não teve relações sexuais durante a gravidez, mas após Jesus ter nascido, sim, tiveram. Além disso, quem questiona o termo “conhecer” daqui, pensando que o sentido correto é de andar junto, é só verificar que José já estava na manjedoura com Maria sozinhos (e casados) antes de Cristo ter nascido (Lucas 2:4-7). José já andava junto com Maria por pelo menos vários meses.  Não disse: “E José nunca conheceu a Maria, mesmo até ela ter dado a luz ao menino”. E sim que José respeitou aquela gravidez de Maria, não tendo relações com ela naquele período, mas, a partir daí, seriam um casal normal, saudável e honrado como qualquer outro. Se isso não for suficiente, podemos notar ainda que no final do versículo citado, tem uma importante anexação afirmando que Jesus era o primogênito de José e Maria; é o primeiro dos filhos. Se fosse único filho, inescapavelmente o termo seria “unigênito”.

Jesus diz que João, seu discípulo, era sim filho de Maria

Sempre que aparece no livro de João o termo: “o discípulo a quem Jesus amava”, este autor está referindo a si mesmo, o próprio João (confira em João 13:23, 19:26, 20:2 e 21:20)

Agora olha que esclarecimento facílimo:

E junto à cruz de Jesus estava sua mãe, e a irmã de sua mãe, Maria mulher de Clopas, e Maria Madalena. Ora Jesus, vendo ali sua mãe, e que o discípulo a quem ele amava [João] estava presente, disse [Jesus] a sua mãe: Mulher, eis aí o teu filho [apontando para João]. Depois disse ao discípulo [para João]: Eis aí tua mãe. E desde aquela hora o discípulo [João] a recebeu em sua casa [João ficou encarregado de cuidar e consolar ela, sua mamãezinha!]. (João 19:25-27)

Se isso ainda sim parecer confuso de entender, veja ainda muito mais abaixo!

Evidências de que Tiago também era filho de Maria, mãe de Jesus

“[dizendo sobre Jesus]Não é este o filho do carpinteiro? Não se chama sua mãe Maria, e seus irmãos, Tiago, José, Simão e Judas?” (Mateus 13:55)

Também existe menção desta mesma Maria, mãe de Tiago,que é supostamente mãe de Jesus, em: Mateus 27:56, Marcos 6:3, Marcos 15:40 e 16:1 e Lucas 24:10.

Eram Maria Madalena, Joana e Maria, mãe de Tiago; também as demais que estavam com elas confirmaram estas coisas aos apóstolos. (Lucas 24:10)

Não posso deixar de mencionar o ossuário deste Tiago que foi encontrado, e está inscrito: “Tiago, filho de José, irmão de Jesus”. Sabemos que se Tiago é mesmo irmão de Jesus, então Maria teria de o ter engravidado, pois reforçaria o versículo acima.

(fonte: http://g1.globo.com/Noticias/0,,MUL1056535-9982,00-MARIA+PROVAVELMENTE+TEVE+OUTROS+FILHOS+ALEM+DE+JESUS+DIZEM+HISTORIADORES.html )

O próprio Jesus define com sua boca o lugar de sua mãe

Um texto extraído da Bíblia em Mateus 12:46 (também há em Lucas 8:19 um semelhante): “E, falando ele [Jesus] ainda à multidão, eis que estavam fora sua mãe e seus irmãos, pretendendo falar-lhe. E disse-lhe alguém: Eis que estão ali fora tua mãe e teus irmãos, que querem falar-te. Ele, porém, respondendo, disse ao que lhe falara: Quem é minha mãe? E quem são meus irmãos? E, estendendo a sua mão para os seus discípulos, disse: Eis aqui minha mãe e meus irmãos; Porque, qualquer que fizer a vontade de meu Pai que está nos céus, este é meu irmão, e irmã e mãe.

Neste texto, Jesus estava pregando no meio do povo e discípulos. Ocorre que a sua família (Maria e irmãos) o estavam aguardando do lado de fora para tratar de algo que deveria ser importante. Jesus, ocupado demais para sair imediatamente, ainda com a multidão ao seu redor, vira-se para aqueles que o rodeava afirmando que sua mãe e seus irmãos (ou seja, a família, exceto o Pai) são todos aqueles que fazem a vontade do seu Pai, que é Deus. Então, qualquer pessoa, que agrade o Criador, pode querer, se quiser, considere-se íntimo dele tal como uma mãe ou irmão(a) de Jesus Cristo. Sua família verdadeira não procede de ligações da carne, mas espiritual, e depende unicamente do Pai!!!

Outro texto em Lucas 11:27: “E aconteceu que, dizendo ele [Jesus] estas coisas, uma mulher dentre a multidão, levantando a voz, lhe disse: Bem-aventurado o ventre que te trouxe e os peitos em que mamaste. Mas ele disse: Antes [mais abençoado do que Maria] bem-aventurados os que ouvem a palavra de Deus e a guardam.” No versículo acima, Jesus pretende dizer a mesma coisa que no outro. Para ele é até irrelevante a honra trazida para qualquer um com sua ligação sanguínea terrena (seja mãe, irmã ou irmã, tanto faz) perto da aliança de fidelidade de algum justo com o Pai Celestial. Quem agradar a Deus (espiritual) está agradando mais do que aquela que o deu a luz (terreno). Ser parente sanguíneo, ainda que seja de mãe, não é exatamente agradar a Deus, e são dimensões bem diferentes!

Maria chama Jesus de seu Senhor, Salvador, Santo, Poderoso, Misericordioso

Pelo negrito dos dois versículos, vemos este entendimento de Maria claramente através interposição dos termos:

Respondeu-lhe o anjo: Virá sobre ti o Espírito Santo, e o poder do Altíssimo te cobrirá com a sua sombra; por isso o que há de nascer será chamado Santo, Filho de Deus.(Lucas 1:35)

Disse então Maria: A minha alma engrandece ao Senhor, e o meu espírito exulta em Deus meu Salvador; porque atentou na condição humilde de sua serva. Desde agora, pois, todas as gerações me chamarão bem-aventurada, porque o Poderoso me fez grandes coisas; e Santo é o seu nome. E a sua misericórdia [a misericórdia do Santo sobre ela, que é Jesus ou a Trindade] vai de geração em geração sobre os que o temem. Com o seu braço manifestou poder; dissipou os que eram soberbos nos pensamentos de seus corações; depôs dos tronos os poderosos, e elevou os humildes. Aos famintos encheu de bens, e vazios despediu os ricos. Auxiliou a Isabel, seu servo, lembrando-se de misericórdia (como falou a nossos pais) para com Abraão e a sua descendência para sempre. (Lucas 1:46-55)

Ela entendia que Jesus, Deus encarnado, foi agraciador de escolher a ela para esta missão.

Jesus tem um relacionamento exclusivo e grandioso com o Pai que Maria não desfruta

Vejam bem o que Jesus disse:

“Todas as coisas me foram entregues por meu Pai, e ninguém conhece o Filho, senão o Pai; e ninguém conhece o Pai, senão o Filho, e aquele a quem o Filho quiser revelar.” (Mateus 11:27)

Todas as coisas foram entregues (por Deus) nas mãos de Jesus. Deus não disse que ele entregou nas mãos de Maria, mas do seu Filho.

Outra coisa espantosa é que Jesus diz que ninguém conhece o Pai a não ser ele! Isso é impressionante porque quer dizer que apenas Jesus entende exatamente e com precisão máxima  a natureza do Pai celestial. E mais: o Pai só pode ser revelado através de Jesus. Ninguém mais pode revelar o Pai a não ser o Cordeiro de Deus, porque foi dado a ele este glorioso poder.

Descobrindo-nos o mistério da sua vontade [do Pai], segundo o seu beneplácito, que propusera em si mesmo, de tornar a convergir em Cristo todas as coisas [tudo leva a Jesus!],(…) (Efésios 1:9-10)

“Este [Jesus Cristo] é a imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação; pois, nele, foram criadas todas as coisas [inclusive Maria, José, anjos e por aí vai], nos céus e sobre a terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos, sejam soberanias, quer principados, quer potestades. Tudo foi criado por meio dele e para ele. Ele é antes de todas as coisas. Nele, tudo subsiste. Ele é a cabeça do corpo, da igreja. Ele é o princípio, o primogênito de entre os mortos, para em todas as coisas ter a primazia, porque aprouve a Deus que, nele, residisse toda a plenitude e que, havendo feito a paz pelo sangue da sua cruz, por meio dele, reconciliasse consigo mesmo todas as coisas, quer sobre a terra, quer nos céus.” (Colossenses 1:15-20)

Dentre toda a humanidade, apenas Jesus foi Santo e absolutamente Justo

Eu poderia citar centenas de versículos para indicar isto, mas o estudo ficaria imenso. Fica os seguintes:

Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus [ninguém foi 100% reto]; sendo justificados gratuitamente pela sua graça [apenas a Graça salva], mediante a redenção que há em Cristo Jesus [o único puro], ao qual Deus propôs como propiciação, pela fé, no seu sangue, para demonstração da sua justiça por ter ele na sua paciência, deixado de lado os delitos outrora cometidos; para demonstração da sua justiça neste tempo presente, para que ele seja justo e também justificador daquele que tem fé em Jesus. (Romanos 3:23-26)

o apóstolo Paulo comenta que o único homem justo foi Jesus, e que ninguém pode ser salvo sem Ele:

Como está escrito: Não há um justo, nem um sequer. Não há ninguém que entenda; Não há ninguém que busque a Deus. Todos se extraviaram, e juntamente se fizeram inúteis. Não há quem faça o bem, não há nem um só. A sua garganta é um sepulcro aberto; Com as suas línguas tratam enganosamente; Peçonha de áspides está debaixo de seus lábios; Cuja boca está cheia de maldição e amargura. Os seus pés são ligeiros para derramar sangue. Em seus caminhos há destruição e miséria; E não conheceram o caminho da paz. Não há temor de Deus diante de seus olhos. Ora, nós sabemos que tudo o que a lei diz, aos que estão debaixo da lei o diz, para que toda a boca esteja fechada e todo o mundo seja condenável diante de Deus [diz que nenhum homem pôde cumprir a Lei de Moisés]. Por isso nenhuma carne será justificada diante dele pelas obras da lei, porque pela lei vem o conhecimento do pecado. Mas agora se manifestou sem a lei a justiça de Deus, tendo o testemunho da lei e dos profetas; Isto é, a justiça de Deus pela fé em Jesus Cristo para todos e sobre todos os que crêem; porque não há diferença  [como ninguém consegue ser perfeito, então somente pela fé no sangue de Jesus salva a humanidade].  (Romanos 3:10-22)

Mãe de Jesus como homem, e não Jesus como Deus

Jesus era tanto homem quanto Deus (ver estudo Quem é Jesus Cristo). A Bíblia diz que Ele teve que se diminuir para se tornar homem (Filipenses 2:7). Isso quer dizer que para vir ao mundo, Jesus teve que ficar pequeninho como nós! Ele só coube no ventre de uma mulher por que foi através do maravilhoso poder do Espírito Santo (Lucas 1:35). Maria não tinha algum atributo divino para ser capaz de realizar tal proeza, pois foi o próprio Deus quem fez tudinho. Ela apenas se entregou, como serva (Lucas 1:38)! Jesus sempre existiu ao lado do Pai Celestial (ver estudo Quem é Jesus Cristo), enquanto Maria foi criada por meio de Adão, a quem o próprio Filho de Deus moldou com as suas mãos! De diversos ângulos, é inconcebível partilhar as qualidades de autoridade, posição e glória de Jesus para Maria. 

Conclusão

Maria é uma benção! Como ela mesma diz, foi uma serva de Deus e continua sendo. Tenho certeza de que a própria Maria não se agrada de que as pessoas ignorem entender quem ela era através das lentes da Palavra de Deus, em vez de, indo com a multidão, serem apascentados por tradições religiosas.

Nem mesmo visões espirituais experimentadas por nós mesmos devem ser aceitas caso elas possam contradizer consigo mesmas, isto é,  com as Escrituras a quem essas mesmas visões são obrigadas a se reportar para serem consistentes:

“Mas, ainda que nós mesmos ou um anjo do céu vos anuncie outro evangelho além do que já vos tenho anunciado, seja anátema.”  (Gálatas 1:8)

Portanto, se um “anjo do Céu” aparecer para nós com outro evangelho, usemos o nosso conhecimento da autoridade de Cristo para nos defender.

Quem é Jesus, o Messias judeu (hebraico: YESHUA HAMASHIA)

setembro 14, 2011 18 comentários

jesus

“Eu, Jesus,(…) Eu sou a raiz e a geração de Davi, a resplandecente Estrela da Manhã.”(Apocalipse 22:16)

Quem é exatamente este homem chamado Jesus Cristo de Nazaré?

Profecias que predizeram a vida do Messias escolhido

1) “[Deus diz a satanás]Porei inimizade entre ti e a mulher, entre a tua descendência [Messias seria provindo de uma mulher] e o seu descendente [pecadores]. Este te ferirá a cabeça [triunfará], e tu lhe ferirás o calcanhar [machucar o corpo].”(Gênesis 3:1 – escrito em 1.688 a.C)

2) “Por que se amotinam os gentios, e os povos imaginam coisas vãs? Os reis da terra se levantam e os governos consultam juntamente contra o SENHOR e contra o seu ungido [unigo e Messias é a mesma origem], dizendo: Rompamos as suas ataduras, e sacudamos de nós as suas cordas. Aquele que habita nos céus se rirá; o Senhor zombará deles. Então lhes falará na sua ira, e no seu furor os turbará. Eu, porém, ungi o meu Rei sobre o meu santo monte de Sião. Proclamarei o decreto: o SENHOR me disse: Tu és meu Filho, eu hoje te gerei. Pede-me, e eu te darei os gentios por herança, e os fins da terra por tua possessão. Tu os esmigalharás com uma vara de ferro; tu os despedaçarás como a um vaso de oleiro. Agora, pois, ó reis, sede prudentes; deixai-vos instruir, juízes da terra. Servi ao SENHOR com temor, e alegrai-vos com tremor. Beijai o Filho [Filho de Deus, e não de homens], para que se não ire, e pereçais no caminho, quando em breve se acender a sua ira; bem-aventurados todos aqueles que nele confiam. [somente ao Filho de Deus é quem toda a humanidade precisa se render e confiar para agradar ao Deus Pai]” (Salmos 2)

3) “[diz sobre Jesus na Cruz]Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste? (Marcos 15:345) Por que te alongas do meu auxílio e das palavras do meu bramido? Deus meu, eu clamo de dia, e tu não me ouves; de noite, e não tenho sossego. Porém tu és santo, tu que habitas entre os louvores de Israel. Em ti confiaram nossos pais; confiaram, e tu os livraste. A ti clamaram e escaparam; em ti confiaram, e não foram confundidos. Mas eu sou verme, e não homem, opróbrio dos homens e desprezado do povo. Todos os que me vêem zombam de mim, estendem os lábios e meneiam a cabeça, dizendo: Confiou no SENHOR, que o livre; livre-o, pois nele tem prazer (Mateus 27:40). Mas tu és o que me tiraste do ventre; fizeste-me confiar, estando aos seios de minha mãe. Sobre ti fui lançado desde a madre; tu és o meu Deus desde o ventre de minha mãe. Não te alongues de mim, pois a angústia está perto, e não há quem ajude. Muitos touros me cercaram; fortes touros de Basã me rodearam. Abriram contra mim suas bocas, como um leão que despedaça e que ruge. Como água me derramei, e todos os meus ossos se desconjuntaram [a crucificação causa isto em parte do corpo]; o meu coração é como cera, derreteu-se no meio das minhas entranhas (Lucas 22:44). A minha força se secou como um caco, e a língua se me pega ao paladar (João 19:28); e me puseste no pó da morte. Pois me rodearam cães; o ajuntamento de malfeitores me cercou, traspassaram-me as mãos e os pés [apenas a Cruz faz isso]. Poderia contar todos os meus ossos; eles vêem e me contemplam. Repartem entre si as minhas vestes, e lançam sortes sobre a minha roupa (Mateus 27:35). Mas tu, SENHOR, não te alongues de mim. Força minha, apressa-te em socorrer-me.”  (Salmos 22:1-19 – 1050 anos a.C)

4) “Quem subiu ao céu e desceu? Quem encerrou os ventos nos seus punhos? Quem amarrou as águas numa roupa? Quem estabeleceu todas as extremidades da terra? Qual é o seu nome? E qual é o nome de seu filho, se é que o sabes?”(Provérbios 30:4 – escrito em 1009 a 922 a.C)

5) “O SENHOR me possuiu [a Sabedoria ou o Filho] no princípio de seus caminhos, desde então, e antes de suas obras. Desde a eternidade fui ungida, desde o princípio, antes do começo da terra. Quando ainda não havia abismos, fui gerada, quando ainda não havia fontes carregadas de águas. Antes que os montes se houvessem assentado, antes dos outeiros, eu fui gerada. Ainda ele não tinha feito a terra, nem os campos, nem o princípio do pó do mundo. Quando ele preparava os céus, aí estava eu, quando traçava o horizonte sobre a face do abismo; Quando firmava as nuvens acima, quando fortificava as fontes do abismo, Quando fixava ao mar o seu termo, para que as águas não traspassassem o seu mando, quando compunha os fundamentos da terra. Então eu estava com ele [o Filho com o Pai], e era seu arquiteto; era cada dia as suas delícias, alegrando-me perante ele em todo o tempo; Regozijando-me no seu mundo habitável e enchendo-me de prazer com os filhos dos homens.” (Provérbios 8:22-31)

6) “[anjo diz a Daniel]Sabe e entende: desde a saída da ordem para restaurar e para edificar Jerusalém [ocorreu em aprox. 451 a.C], até ao Messias, ao Príncipe, sete semanas e sessenta e duas semanas; as praças e as circunvalações se reedificarão, mas em tempos angustiosos. Depois das sessenta e duas semanas [1 dia = 1 ano, (62+7)x7 = 484 anos depois], será morto o Messias e já não estará [como previsto, no ano aprox. 33d.C!]; e o povo de um príncipe que há de vir destruirá a cidade e o santuário [isso ocorreu em 70d.C pelos romanos!], e o seu fim será num dilúvio, e até ao fim haverá guerra; desolações são determinadas [para o povo de Deus e o mundo].”(Daniel 9:25-16 – escrita entre 536 a 606 a.C)

7)Eis que o meu Servo procederá com prudência; será exaltado e elevado e será mui sublime. Como pasmaram muitos à vista dele (pois o seu aspecto estava mui desfigurado, mais do que o de outro qualquer, e a sua aparência, mais do que a dos outros filhos dos homens), assim causará admiração às nações, e os reis fecharão a sua boca por causa dele; porque aquilo que não lhes foi anunciado verão, e aquilo que não ouviram entenderão. Era desprezado e o mais rejeitado entre os homens; homem de dores e que sabe o que é padecer; e, como um de quem os homens escondem o rosto, era desprezado, e dele não fizemos caso. Certamente, ele tomou sobre si as nossas enfermidades e as nossas dores levou sobre si; e nós o reputávamos por aflito, ferido de Deus e oprimido. Mas ele foitraspassado pelas nossas transgressões [atravessado nas por algo no seu corpo] e moído pelas nossas iniqüidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados [redenção]. Todos nós andávamos desgarrados como ovelhas; cada um se desviava pelo caminho, mas o SENHOR fez cair sobre ele a iniqüidade de nós todos. Ele foi oprimido e humilhado, mas não abriu a boca; como cordeiro foi levado ao matadouro; e, como ovelha muda [entregando-se pacientemente] perante os seus tosquiadores, ele não abriu a boca.”

(…)

8) “Por isso, eu lhe darei muitos como a sua parte, e com os poderosos repartirá ele o despojo [depois de morto, deveria ressuscitar e ser engrandecido] , porquanto derramou a sua alma na morte; foi contado com os transgressores; contudo,levou sobre si o pecado de muitos e pelos transgressores intercedeu.” (Isaías 53:3-12 – escrito em 792 a 722 a.C)

9) “Portanto o mesmo Senhor vos dará um sinal: Eis que a virgem conceberá, e dará à luz um filho, e chamará o seu nome Emanuel [significa Deus conosco, “junto da gente!”].”(Isaías 7:14)

10) Mas sobre a casa de Davi, e sobre os habitantes de Jerusalém, derramarei [Deus tem esse poder] o Espírito de graça e de súplicas; e olharão para mim [1ª pessoa, Jesus], a quem traspassaram [ou atravessado por algo; na Cruz]; e pranteá-lo-ão sobre ele, como quem pranteia pelo filho unigênito; e chorarão amargamente por ele, como se chora amargamente pelo primogênito [Jesus é conhecido como unigênito e primogênito do Pai].” (Zararias 12:10 – escrito entre 520 a 475 a.C)

11) “E tu, Belém Efrata [cidade que Jesus nasceu], posto que pequena entre os milhares de Judá, de ti me sairá o que governará em Israel, e cujas saídas são desde os tempos antigos, desde os dias da eternidade. Portanto os entregará até ao tempo em que a que está de parto tiver dado à luz; então o restante de seus irmãos voltará aos filhos de Israel. E ele permanecerá, e apascentará ao povo na força do SENHOR, na excelência do nome do SENHOR seu Deus; e eles permanecerão, porque agora será engrandecido até aos fins da terra[para todo o planeta].” (Miquéias 5:2 – escrito entre 772-722 a.C)

12) “Eu estava olhando nas minhas visões da noite, e eis que vinha nas nuvens do céu um como o filho do homem [Jesus]; e dirigiu-se ao ancião de dias [Deus Pai, como está indicado no versículo 9], e o fizeram chegar até ele. E foi-lhe dado [ao Filho do Homem, Jesus] o domínio, e a honra, e o reino, para que todos os povos, nações e línguas o servissem; o seu domínio é um domínio eterno, que não passará, e o seu reino tal, que não será destruído [cumprirá na segunda vinda].” (Daniel 7:13)

13) “Porque eu lhes disse: Se parece bem aos vossos olhos, dai-me o meu salário e, se não, deixai-o. E pesaram o meu salário, trinta moedas de prata.
O Senhor, pois, disse-me: Arroja isso ao oleiro, esse belo preço em que fui avaliado por eles. E tomei as trinta moedas de prata, e as arrojei ao oleiro, na casa do Senhor. [Jesus foi vendido pelo traidor Judas por trinta moedas de prata. O dinheiro foi usado pelos fariseus pra comprar um campo de um oleiro, Mt. 27:1-7]” (Zacarias 11:12-13)

Jesus interagindo com homens no Antigo Testamento (antes de nascer por Maria)

Na Bíblia, a palavra “anjo” do original hebraico significa “mensageiro”. Eles não foram feitos para serem adorados, mas a Jesus, o mensageiro que é o Filho de Deus, sim, e é adorado por eles (Hebreus 1:6). Veja que João foi advertido pelo anjo porque cometeu o engano de tentar adorá-lo:

“E eu, João, sou aquele que vi e ouvi estas coisas. E, havendo-as ouvido e visto, prostrei-me aos pés do anjo que mas mostrava para o adorar. E disse-me: Olha, não faças tal; porque eu sou conservo teu e de teus irmãos, os profetas, e dos que guardam as palavras deste livro. Adora a Deus.” (Apocalipse 22:8-9)

Portanto nem todas as vezes que aparece a palavra “anjo”(mensageiro) significa que foi enviado um mensageiro da parte de Deus em que diz respeito a um servo celestial. Uma vez João Batista foi também chamado de anjo (Marcos 1:2). Curiosamente ocorre também de muitas vezes seu Filho, o herdeiro de tudo, ser mensageiro (anjo).

1) Está claro que Agar estava falando com Deus, e não um simples anjo.

“E ela chamou o nome do SENHOR [YAHVEW], que com ela falava [o autor admite que fosse mesmo Deus quando diz “com quem ela falava”]: Tu és Deus que me vê; porque disse: Não olhei eu também para aquele que me vê? [descobriu a aparência do Deus invisível que a ver todo momento]” (Gênesis 16:13)

2) Josué encontra um que é chamado de o Príncipe dos Exércitos do Senhor. Quem seria o príncipe, senão o Filho? Ele ainda é adorado por Josué, um homem que sabia muito bem que somente a Deus é ordenado a adoração.

“E sucedeu que, estando Josué perto de Jericó, levantou os seus olhos e olhou; e eis que se pôs em pé diante dele um homem que tinha na mão uma espada nua; e chegou-se Josué a ele, e disse-lhe: És tu dos nossos, ou dos nossos inimigos? E disse ele: Não, mas venho agora como Príncipe do Exército do SENHOR. Então Josué se prostrou com o seu rosto em terra e o adorou, e disse-lhe: Que diz meu senhor ao seu servo?” (Josué 5:13-14)

3) O anjo do Senhor é enviado pra levantar o israelita Gideão. Mas, na descrição de quem está falando, em todo o momento o relacionamento se dá entre o “SENHOR [YAHVEW]” e Gideão. Nota-se que eles chamam este Anjo com o nome sagrado de Deus YAHVEW, que significa EU SOU. Quem é este anjo?

“Então o SENHOR olhou para ele, e disse: Vai nesta tua força, e livrarás a Israel das mãos dos midianitas; porventura não te enviei eu? E ele lhe disse: Ai, Senhor meu, com que livrarei a Israel? Eis que a minha família é a mais pobre em Manassés, e eu o menor na casa de meu pai. E o SENHOR lhe disse: Porquanto eu hei de ser contigo, tu ferirás aos midianitas como se fossem um só homem. E ele disse: Se agora tenho achado graça aos teus olhos, dá-me um sinal de que és tu que falas comigo. Rogo-te que daqui não te apartes, até que eu volte e traga o meu presente, e o ponha perante ti. E disse: Eu esperarei até que voltes.” (Juízes 6:14-18)

4) Em Isaías o Messias deveria ser chamado de Maravilhoso, que é o mesmo nome que o anjo do livro de Juízes se define. Manoá, a mulher que teve o encontro com este, chama-o de Deus no final:

E disse Manoá ao Anjo do SENHOR: Qual é o teu nome, para que, quando se cumprir a tua palavra, te honremos? E o anjo do SENHOR lhe disse: Por que perguntas assim pelo meu nome, visto que é Maravilhoso? Então Manoá tomou um cabrito e uma oferta de alimentos, e os ofereceu sobre uma penha ao SENHOR: e houve-se o anjo maravilhosamente, observando-o Manoá e sua mulher.E sucedeu que, subindo a chama do altar para o céu, o anjo do SENHOR subiu na chama do altar; o que vendo Manoá e sua mulher, caíram em terra sobre seus rostos.E nunca mais apareceu o anjo do SENHOR a Manoá, nem a sua mulher; então compreendeu Manoá que era o anjo do SENHOR. E disse Manoá à sua mulher: Certamente morreremos, porquanto temos visto a Deus [se referindo ao anjo]. (Juízes 13:13-22)

“[sobre o Messias]Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu, e o principado está sobre os seus ombros, e se chamará o seu nome: Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz.” (Isaías 9:6)

5) O rei Nabucodonosor diz profeticamente ver um anjo semelhante ao Filho de Deus junto com os três hebreus que foram injustamente lançados no fogo da fornalha:

“Respondeu, dizendo: Eu, porém, vejo quatro homens soltos, que andam passeando dentro do fogo, sem sofrer nenhum dano; e o aspecto do quarto é semelhante ao Filho de Deus.” (Daniel 3:25).

6) Ezequiel diz que um homem chegou até ele. Quem era este que ele diz ser homem com autoridade de Deus? 

“E ouvi alguém que falava comigo de dentro da casa, e um homem se pôs em pé junto de mim. E disse-me: Filho do homem, este é o lugar do meu trono, e o lugar das plantas dos meus pés, onde habitarei no meio dos filhos de Israel para sempre; e os da casa de Israel não contaminarão mais o meu nome santo,” (Ezequiel 43:6-7)

A verdadeira missão declarada de Cristo

Deus Pai enviou a Jesus, seu único Filho, (João 3:16 abaixo), que se despiu da sua própria grandeza (ver João 17:5) para vir ao mundo, na forma de homem, e nos ensinar o caminho da retidão.  Deus utilizou um artifício para interferir no curso mundo e pagar o preço da culpa da condenação que as pessoas mereciam indo morrer no lugar de todos na Cruz. Os pecados são perdoados mediante a ação de serem “lavados pelo sangue do Cordeiro [Jesus]” (ver Apocalipse 7:14), que ali foi derramado. Em outras palavras, foi posto no Messias, homem sem pecado (Hebreus 4:15,7:26-28), a ira de Deus reservada para os pecadores, para que a graça fosse liberada sobre aqueles que se disporem a aceitá-lo como soberano na sua vida (Isaías 53:3-12). Pela Cruz, lançamos o nosso pesado fardo de culpa e condenação sobre ele, e ele nos entrega o seu fardo leve para que carreguemos (Mateus 11:28-30), a redenção gratuita. Isso é conquistado mediante a fé.

Na antiga lei hebraica, os judeus foram instruídos de que deveriam derramar um sangue de um animal para obterem a via de justiça divina de remição dos pecados, que prefigurava a Cristo. No ato do arrependimento, o pecado era lançado no animal simbolicamente.

Agora, este sangue vem do próprio Deus (i.e.,Jesus). Este é o sacrifício permanente e eterno que reme os homens da culpa (Hebreus 10:12). A chamada antiga aliança hebraica é quebrada e substituída pela nova (Mateus 26:28), que é mais forte e poderosa em graça e favor divino para os homens. Veja que Deus já anunciava esta ruptura através do profeta Jeremias:

“Eis que dias vêm, diz o SENHOR, em que farei uma aliança nova com a casa de Israel e com a casa de Judá. Não conforme a aliança que fiz com seus pais, no dia em que os tomei pela mão, para os tirar da terra do Egito; porque eles invalidaram a minha aliança apesar de eu os haver desposado, diz o SENHOR. Mas esta é a aliança que farei com a casa de Israel depois daqueles dias, diz o SENHOR: Porei a minha lei no seu interior, e a escreverei no seu coração; e eu serei o seu Deus e eles serão o meu povo.” (Jeremias 31:31-33)

Permite-se trazer maior comunhão e proximidade do Espírito de Deus do que outrora (ver 2 Coríntios 3:13-18 ) e a restauração da queda de Adão (1 Coríntios 15:22). Havia um grosso véu no santuário judeu, extremamente restrito, que só um sacerdote escolhido podia ter acesso a presença de Deus anualmente (Levítico 16:2 e 21:23). Perto da morte de Jesus Cristo, este pronunciou que o véu do templo foi rasgado, e isto ocorreu naquela hora (ver Hebreus 10:19 e Mateus 27:51).

A rigorosa lei hebraica, com suas muitas nuances, foi abolida para as pessoas serem libertas/remidas pela cruz de Jesus (2 Coríntios 3:3-8) e se comprometendo apenas a dois mandamentos, que é tão somente amar a Deus acima de tudo, depois seu próximo como a si mesmo (veja em Mateus 22:37-40). Os rituais hebraicos tinham o propósito de serem na verdade símbolos da Nova Aliança. Por exemplo, o sacrifício de um cordeiro sem mancha não tirava o pecado, mas representava a morte do Messias; e o altar do incenso fazia menção das orações dos santos (Apocalipse 5:8).

O Jesus depois da morte e hoje

A morte da Cruz seria a maior “loucura” de amor do Senhor para resgatar o homem da perdição eterna. Como Jesus foi perfeito até morrer, se mostrou merecedor de tornar a receber a Glória que já tinha antes de ter encarnado homem (ver João 17:5 e Filipenses 2:5-10). Este feito, que parece uma derrota, foi tida como uma magnífica vitória (ver João 16:33 e Romanos 8:37). O papel de Yeshua atualmente é ser o único elo e Mediador entre Deus e os homens (1 Timótio 2:5, Isaías 42:6, Hebreus 9:15) ou único “Advogado junto ao Pai, entre Deus e os homens” (1 João 2:1), aliança alcançada legalmente. Ele voltará mais uma vez para salvar sua Igreja (Mateus 24:36-51,25:1-13, Apocalipse 19:7-9, 1 Pedro 3:1-14), destruir os ímpios na Terra (Apocalipse 19 e Isaías 63) , caber o julgamento eterno para todos os povos e os demônios (Mateus 25:31-46) e, finalmente, reinar eternamente com os remidos (Daniel 7:14, 2 Pedro 1:11, Lucas 1:33).

“Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que condenasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele. Quem crê nele não é condenado; mas quem não crê já está condenado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus.” (João 3:16-18)

“No dia seguinte João viu a Jesus, que vinha para ele, e disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo” (João 1:29)

“E se alguém ouvir as minhas palavras, e não crer, eu não o julgo; porque eu vim, não para julgar o mundo, mas para salvar o mundo.” (João 12:47)

Jesus é o Templo, a Casa do Pai e a Arca da Aliança

“Jesus respondeu, e disse-lhes: Derribai este templo, e em três dias o levantarei. Disseram, pois, os judeus: Em quarenta e seis anos foi edificado este templo, e tu o levantarás em três dias? Mas ele falava do templo do seu corpo. Quando, pois, ressuscitou dentre os mortos, os seus discípulos lembraram-se de que lhes dissera isto; e creram na Escritura, e na palavra que Jesus tinha dito.” (João 2:19-22)

Jesus olhou para o templo que o grande EU SOU (YHWH) e Todo Poderoso era adorado e disse que o destruiria e o tornaria a construir em três dias. Isso ocorre pois quando ele morre na Cruz, a velha aliança é destruída juntamente com seu corpo, porém, quando Jesus ressuscita, ele mesmo se torna o Templo de habitação aonde Deus escolheu habitar. Jesus é como a Arca da Aliança (Êxodo 40:3), aonde a Presença de Deus permanece. Ele próprio também é a Casa do Tesouro, onde devemos levar nossos dízimos e ofertas, que é cumprir sua vontade na Terra com o trabalho de nossas mãos (Malaquias 3:10).

O Pai Celestial habita em Jesus e Jesus habita naqueles em que o recebem verdadeiramente, por isso ele disse: “quem vê a mim vê o Pai”(João 14:9)  e “ninguém vem ao Pai senão por mim” (João 14:6). Como o Pai está apenas em Cristo, o Céu está em Jesus, por isso também Jesus disse:

“Na casa de meu Pai há muitas moradas; se não fosse assim, eu vo-lo teria dito. Vou preparar-vos lugar. E quando eu for, e vos preparar lugar, virei outra vez, e vos levarei para mim mesmo, para que onde eu estiver estejais vós também.” (João 14:2-3)

Breve resumo da história da vida de Jesus Cristo

-Existe desde a eternidade ao lado do Pai Celestial (João 1:1,2);

-Teve participação intrínseca na criação de todas as coisas que existem com o Pai (João 1:3);

-É menor do que o Pai (João 14:28), é um só com o Pai (João 10:30) e maior do que os anjos (Lucas 20:9-16);

-Deixou seu lugar de habitação no Céu para vir ao mundo à aproximadamente 2000 anos atrás (João 3:31, 17:5);

-Sua vinda no meio de nós e suas obras eram um segredo do coração de Deus antes da fundação do mundo (Romanos 16:25, 1 Coríntios 2:7) e foi amplamente anunciado pelos profetas de centenas de anos antes (ver seção inicial de profecias de Cristo no estudo);

-Foi enviado ao mundo para redimir a humanidade dos pecados (João 3:16-18, Isaías 53:4-6), lançando sobre si mesmo a condenação, e tornar a restaurar a queda espiritual que separou Adão da Presença de Deus. Deveria padecer por todos como o Cordeiro de Deus que derrama o sangue para justificação (Isaías 53, João 1:36, 1 Pedro 1:19, Apocalipse 5:6);

-Foi inoculado no ventre de uma mulher judia sem relação sexual (Lucas 1:35) e nasceu numa simples manjedoura (Lucas 2:16);

-Brevemente depois de haver nascido diferentes pessoas e desconhecidas pela mãe se achegaram ao bebê com revelações divinas cientes sobre a quem ele se tratava (Luca 2:8-12, 25-35 e 36-38). Pouco antes de seu ministério, aos 30 anos, João Batista, um profeta reconhecido em todo o Israel (Lucas 20:6), respaldou Jesus (João 1:29) dizendo que ele não era digno nem mesmo de “desamarrar as correias das sandálias” de Jesus (João 1:27);

-Nunca pecou contra Deus nos seus mandamentos (Lucas 1:35), procurava apenas realizar a vontade do Pai em todo momento (João 6:38, Lucas 22:42) e o amava acima de todas as coisas (Mateus 22:37);

-Era a imagem de Deus na Terra (João 14:8,9) e corporalmente a plenitude de Deus (Colossenses 2:9);

-Ele podia chorar (João 11:35:) e se alegrar (Lucas 10:21) como qualquer pessoa;

-Aos doze anos era cheio de sabedoria e inteligência, conhecendo toda a Lei de Moisés (Lucas 2:46,47) e já entendia a paternidade de Deus sobre si (Lucas 2:49);

-Homem comum, de uma terra pobre, trabalhador e “de dores” (Isaías 53:3) na profissão de carpinteiro (Marcos 6:3) e também tinha o serviço no templo de Mestre ou rabino (João 1:38, Mateus 26:49, Lucas 20:39), pois podia ler o Tora no templo (Lucas 4:16);

-Passou por todas as tentações na carne para provar sua vitória sobre o pecado e ter toda autoridade sobre ele (Lucas 4:2, Hebreus 2:18, João 16:33);

-Era um homem sem beleza exterior (Isaías 53:2);

-Deus fez de Jesus uma provação para expor o coração dos orgulhosos e, ao mesmo tempo, o tornou a única Porta (João 10:9) e fundamento da salvação (Mateus 21:42, João 14:6, 1 Coríntios 1:18-25). Dizia que quem recebe a ele (Jesus) recebia o Pai que o enviou (João 13:20) pois ele fazia toda a vontade do Pai. Jesus disse que ele era “o Caminho, a Verdade e a Vida”. Aceitando a ele, temos a oportunidade de morar no Céu com ele na Casa do Pai para sempre (João 14:2,3). Ele disse que quem cresse no nome dele teria a vida eterna e que ele mesmo o iria ressuscitá-lo no último dia (João 6:40);

-Cumpriu as profecias antigas que ele deveria ser desprezado e mau visto muitas vezes pelas pessoas (Isaías 53:2,3, João 10:31, 12:37, 15:25). Durante as pregações existiam pessoas que o rejeitavam e fazia pouco caso dele (João 10:20, Marcos 3:21), mas outros se maravilhavam com suas palavras (Mateus 22:33, João 10:21);

-Gente da sua própria casa não cria nele (João 7:5), e até seus irmãos já pensaram que ele estava fora de si (Marcos 3:21);

-Do meio das multidões que o acompanhava (Marcos 5:24, Marcos 4:36, Lucas 8:40), escolheu doze discípulos(Lucas 6:13);

-Preferia andar com prostitutas, pecadores, rejeitados (Marcos 2:16,17) e “pequeninos” (Marcos 11:25) porque “o médico veio para os doentes” (Marcos 2:17). Confrontava com grande ousadia os religiosos altivos (Mateus 23), que os chamou de “sepulcros caiados” que são bonitos por fora e mortos por dentro;

-Pregava que era melhor ser generoso, procurando dar do que receber, amar os inimigos e os perseguidores, ser manso, ter o coração fácil de arrepender-se e perdoar, ser misericordioso e ter esperança de glória depois da morte por causa das próprias perseguições e humilhações em nome de Deus (Mateus 5), cuidar dos mais rejeitados (Lucas 10:30-37), etc.;

-Disse que quem alimentasse o faminto, desse água ao sedento, tratasse do doente, hospedasse o estrangeiro, visitasse o preso e cobrisse o nu estaria fazendo para ele, como se ele se importasse a tal ponto com a humanidade que era como se ele estivesse vivendo na pele da pessoa necessitada (Mateus 25:40);

-Dizia que os grandes no Reino de Deus são os humildes como crianças (Mateus 18:4), como servos de todos (Marcos 9:35) e que aquele que se humilha é exaltado e o que se exalta será humilhado (Lucas 18:14);

-Amava muito as crianças e disse que temos que “receber o Reino de Deus como elas” (Marcos 10:14,15);

-Realizava milagres publicamente de desde curas de cegos (João 9, Marcos 8:22) a ressurreição de mortos (João 11:43,44, Lucas 7:12), limpou leprosos (Mateus 8:2, Marcos 1:40), acalmou uma tempestade no mar com uma palavra (Mateus 8:26), andou sobre a águas do mar (Mateus 14:26), uma voz do Céu , como trovão, surgiu diante de testemunhas e disse que Jesus era “meu filho amado em quem tenho prazer” (Mateus 3:17, Marcos 9:7), alimentou 5 mil homens, fora mulheres e crianças, no deserto, com apenas cinco pães e dois peixinhos (Marcos 6:38-44, João 6) e 4 mil em outra ocasião com 7 pães em mãos (Mateus 15:38), curou um homem possessão maligna que fazia toda uma cidade o temer (Lucas 8:26-33) o fazendo estar “vestido” e “em seu juízo” ,  tinha revelação dos pensamentos e da vida das pessoas sem conhecê-las pessoalmente (João 1:48-49, 4:18, Mateus 9:4) e muitos outros sinais;

-Admirava-se quando uma pessoa tinha fé (Lucas 7:9). A falta de fé nele o impedia de realizar milagres (Mateus 14:31). A fé e a confiança em Deus e também nele mesmo como instrumento de justificação para desencadear a ocorrência de milagres (Mateus 9:22,14:31, 17:20) e a salvação eterna (João 12:46, Marcos 9:23);

-Antes de ser traído e entregue aos inimigos ele já sabia como aconteceria. Também comunicara aos discípulos sobre sua ressurreição ao terceiro dia de morto (Mateus 17:22, Marcos 10:33,Lucas 24:7). O traidor foi um dos 12 discípulos chamado de Judas Iscariotes (Marcos 14:10) que se suicidou logo em seguida depois de o ter entregue (Mateus 27:5);

-Depois de ter ressuscitado ao terceiro dia de morto (morreu na sexta-feira e ressuscitou no domingo), se revelou a muitos (Mateus 28, João 20 e 21, Lucas 24);

-Ele disse que foi dado a ele todo o poder nos céus e na terra, que deveríamos fazer discípulos em todas as nações batizando em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo e que ele estará conosco até os últimos dias (Mateus 28:18-20);

-Ele foi arrebatado corporalmente e subiu aos Céus, a morada de Deus, para assentar-se num trono a direita do Pai (Lucas 22:69);

-Prometeu que voltaria com todos os seus anjos numa nuvem com poder e grande glória, que todas as tribos da terra se lamentarão ao o ver (Lucas 21:27, Mateus 24:30,25:31).

Filho de Deus Pai

“Disseram-lhe, pois: Onde está teu Pai? Jesus respondeu: Não me conheceis a mim, nem a meu Pai; se vós me conhecêsseis a mim, também conheceríeis a meu Pai.”(João 8:19)

“Tudo por meu Pai me foi entregue; e ninguém conhece quem é o Filho senão o Pai, nem quem é o Pai senão o Filho, e aquele a quem o Filho o quiser revelar” (Lucas 10:22)

“Disse-lhes ele: E vós, quem dizeis que eu sou? E Simão Pedro, respondendo, disse: Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo. E Jesus, respondendo, disse-lhe: Bem-aventurado és tu, Simão Barjonas, porque não foi carne e sangue quem to revelou, mas meu Pai, que está nos céus.” (Mateus 16:16)

Jesus é a manifestação homem do Deus único

1)E tu, Belém Efrata, posto que pequena entre os milhares de Judá, de ti me sairá o que governará em Israel, e cujas saídas são desde os tempos antigos, desde os dias da eternidade [o Messias sempre existiu – atributo de Deus]. Portanto os entregará até ao tempo em que a que está de parto tiver dado à luz; então o restante de seus irmãos voltará aos filhos de Israel. E ele permanecerá, e apascentará ao povo na força do SENHOR, na excelência do nome do SENHOR seu Deus; e eles permanecerão, porque agora será engrandecido até aos fins da terra.” (Miquéias 5:2)

2) Davi profetiza sobre o Messias:

“Disse o Senhor[Pai] ao meu Senhor[Filho]: Assenta-te à minha direita, até que eu ponha os teus inimigos debaixo dos teus pés.(…) O SENHOR jurou e não se arrependerá: Tu [Filho] és sacerdote para sempre, segundo a ordem de Melquisedeque. O Senhor [chamado de YAHWEH, nome Deus], à tua direita [Filho], no dia da sua ira, esmagará os reis”. (Salmos 110 – Referenciado por Jesus em Mateus 22:44, Marcos 12:36, Lucas 20:42).

3) “Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu; o governo está sobre os seus ombros; e o seu nome será: Maravilhoso Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz;” (Isaías 9:6)

4) “Portanto o mesmo Senhor vos dará um sinal: Eis que a virgem conceberá, e dará à luz um filho, e chamará o seu nome Emanuel [que significa…Deus conosco!].” (Isaías 7:14)

5) “(…) Pois ele [Jesus],subsistindo em forma de Deus[ou: “embora sendo Deus”], não julgou como usurpação o ser igual a Deus; antes, a si mesmo se esvaziou, assumindo a forma de servo, tornando-se em semelhança de homens; e, reconhecido em figura humana,  a si mesmo se humilhou, tornando-se obediente até à morte e morte de cruz. Pelo que também Deus o exaltou sobremaneira e lhe deu o nome que está acima de todo nome, para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho, nos céus, na terra e debaixo da terra, e toda língua confesse que Jesus Cristo é Senhor, para glória de Deus Pai.”(Filipenses 2:5-11)

6) “Jesus, aproximando-se, falou-lhes, dizendo: Toda autoridade me foi dada no céu e na terra.” (Mateus 28:18)

7) “Este [Jesus Cristo] é a imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação; pois, nele, foram criadas todas as coisas, nos céus e sobre a terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos, sejam soberanias, quer principados, quer potestades. Tudo foi criado por meio dele e para ele. Ele é antes de todas as coisas. Nele, tudo subsiste. Ele é a cabeça do corpo, da igreja. Ele é o princípio, o primogênito de entre os mortos, para em todas as coisas ter a primazia, porque aprouve a Deus que, nele, residisse toda a plenitude e que, havendo feito a paz pelo sangue da sua cruz, por meio dele, reconciliasse consigo mesmo todas as coisas, quer sobre a terra, quer nos céus.” (Colossenses 1:15-20)

8) “Respondeu-lhes Jesus: Em verdade, em verdade eu vos digo: antes que Abraão existisse,[antigo patriarca de Israel] EU SOU [YAHWEH, nome de Deus].” (João 8:58 – ver também João 8:28)

9) “No princípio, era o Verbo [Jesus], e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus.Todas as coisas foram feitas por ele [ por Jesus], e sem ele nada do que foi feito se fez. Nele, estava a vida e a vida era a luz dos homens; E a luz resplandece nas trevas, e as trevas não a compreenderam.”(…) O Verbo estava no mundo, o mundo foi feito por intermédio dele, mas o mundo não o conheceu.  Veio para o que era seu [o Verbo], e os seus não o receberam. Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, a saber, aos que crêem no seu nome [no nome de Jesus]; os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus. E o Verbo se fez carne e habitou entre nós [Jesus se fez carne, com seu poder], cheio de graça e de verdade, e vimos a sua glória, glória como do unigênito do Pai. (João 1:1-14)

10)Vi o céu aberto, e eis um cavalo branco. O seu cavaleiro se chama Fiel e Verdadeiro e julga e peleja com justiça. Os seus olhos são chama de fogo; na sua cabeça, há muitos diademas; tem um nome escrito que ninguém conhece, senão ele mesmo. Está vestido com um manto tinto de sangue, e o seu nome se chama o Verbo de Deus[Jesus! – João 1:1]; e seguiam-no os exércitos que há no céu, montando cavalos brancos, com vestiduras de linho finíssimo, branco e puro. Sai da sua boca uma espada afiada, para com ela ferir as nações; e ele mesmo as regerá com cetro de ferro e, pessoalmente, pisa o lagar do vinho do furor da ira do Deus Todo-Poderoso. Tem no seu manto e na sua coxa um nome inscrito: REI DOS REIS E SENHOR DOS SENHORES[= Verbo de Deus = Jesus ].” (Apocalipse 19:11-16)

11) “Dessarte, matastes o Autor da vida[Jesus], a quem Deus [Pai] ressuscitou dentre os mortos, do que nós somos testemunhas.” (Atos 3:15)

12) “sendo ele [Jesus] o resplendor da sua glória [de Deus] e a expressa imagem do seu Ser, e sustentando todas as coisas pela palavra do seu poder [de Jesus], havendo ele mesmo feito a purificação dos pecados, assentou-se à direita da Majestade nas alturas” (Hebreus 1:3)

13) Tomé, um dos discípulos, não foi repreendido ao se dirigir a Jesus pelo nome de Senhor e Deus:

Respondeu-lhe Tomé [para Jesus]: Senhor meu e Deus meu! (João 20:28)

14) Paulo diz que Deus deu o seu próprio sangue pelas almas:

“Cuidem de vocês mesmos e de todo o rebanho sobre o qual o Espírito Santo os colocou como bispos, para pastorearem a igreja de Deus, que ele [Deus] comprou com o seu próprio sangue [Jesus, Deus e Espírito Santo são um só].” (Atos 20:28)

Se Jesus é Deus, porque ele também se posiciona como um servo homem que depende de um Deus?

“Recomendou-lhe Jesus: Não me detenhas; porque ainda não subi para meu Pai, mas vai ter com os meus irmãos e dize-lhes: Subo para meu Pai e vosso Pai, para meu Deus e vosso Deus” (João 20:17)

“Mas vem a hora e já chegou, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade; porque são estes que o Pai procura para seus adoradores. (João 4:23)

Então, Jesus lhe ordenou: Retira-te, Satanás, porque está escrito: Ao Senhor, teu Deus [o Pai], adorarás, e só a ele darás culto.” (Mateus 4:10)

A resposta é que Jesus é tanto parte homem quanto parte de Deus. A sua parte homem é a que se relaciona com o Deus na condição de servo, e a sua parte Deus é aquela que se relaciona com Deus como sendo uma das manifestações dele, o Deus único. Como homem, ele é o exemplo máximo da perfeição de servo deixada para que nós venhamos a nos espelhar. O interior de Deus compreensível a nós. Como Deus, ele é o Caminho, a Verdade, a Vida, o Amém,o Eu Sou, a Luz do mundo, a Porta etc. Cristo é tão grande que a redenção na Cruz representa toda a dimensão do amor de Deus (Romanos 8:39)!

Jesus quase foi apedrejado porque ele disse que possuía uma unidade divina com o Pai:

Eu e o Pai somos um. Novamente, pegaram os judeus em pedras para lhe atirar.” (João 10:30-31)

Na sua segunda vinda a Terra, Jesus disse que viria com a mesma Glória do Pai (Mateus 16:27). O Pai deseja que honremos ao Filho assim como honramos a Ele:

“E também o Pai a ninguém julga, mas deu ao Filho todo o juízo; Para que todos honrem o Filho, como honram o Pai. Quem não honra o Filho, não honra o Pai que o enviou.” (João 5:22-23)

Nos versículos abaixo está claro que a Glória de Cristo é idêntica ao do Pai

“(…) Veio, pois, e tomou o livro da mão direita daquele que estava sentado no trono [Pai]; e, quando tomou o livro, os quatro seres viventes e os vinte e quatro anciãos prostraram-se diante do Cordeiro [de Jesus], tendo cada um deles uma harpa e taças de ouro cheias de incenso, que são as orações dos santos, e entoavam novo cântico, dizendo: Digno és de tomar o livro e de abrir-lhe os selos, porque foste morto e com o teu sangue compraste para Deus os que procedem de toda tribo, língua, povo e nação e para o nosso Deus os constituíste reino e sacerdotes; e reinarão sobre a terra. Vi e ouvi uma voz de muitos anjos ao redor do trono, dos seres viventes e dos anciãos, cujo número era de milhões de milhões e milhares de milhares, proclamando em grande voz: Digno é o Cordeiro que foi morto de receber o poder, e riqueza, e sabedoria, e força, e honra, e glória, e louvor [Jesus é digno de ser glorificado porque provou a todos]. Então, ouvi que toda criatura que há no céu e sobre a terra, debaixo da terra e sobre o mar, e tudo o que neles há, estava dizendo: Àquele que está sentado no trono e ao Cordeiro [o Pai e a Jesus], seja o louvor, e a honra, e a glória, e o domínio pelos séculos dos séculos [eternamente]. E os quatro seres viventes respondiam: Amém! Também os anciãos prostraram-se e adoraram [ambos]” (Apocalipse 5)

O rio de vida “cujas águas alegram a Cidade de Deus” (Salmos 46:4), o qual representa fonte inesgotável de Vida, é brotado do Trono do Pai e do Cordeiro [Jesus]:

“Então, me mostrou o rio da água da vida, brilhante como cristal, que sai do trono de Deus e do Cordeiro [Jesus].” (Apocalipse 22:1)

“Eu, Jesus,(…) Eu sou a Raiz e a geração de Davi [homem], a Resplandecente Estrela da Manhã [Deus].”(Apocalipse 22:16)

O ato de se fazer homem torna tudo ainda mais impressionante, porque vemos o Todo-Poderoso agora como uma pessoa que também é poderosamente humilde e simples, que estaria disposto a abandonar toda a sua infinita Glória para salvar as pessoas da perdição, e considerando o próximo antes de si mesmo. Nisso Deus alcançou toda plenitude ( Colossenses 1:19).  A arrogância de querer ser igual Deus fez Lúcifer cair, mas o Senhor deu uma lição eterna a todos ensinando o modo certo para se querer parecer com ele por meio de Cristo. Jesus é a Comunicação (Verbo) de Deus para a Criação.

Reencarnação + Bíblia = contradição

agosto 25, 2011 5 comentários

Está explícito

“E, assim como aos homens está ordenado morrerem uma só vez, vindo, depois disto, o juízo.” (Hebreus 9:27)

O versículo acima já diz que as pessoas só nascem uma vez, morrem uma vez e são julgadas uma vez. Só isso aí já deveria ser suficiente para calar qualquer tipo de teoria de reencarnação. O apóstolo Paulo era amigo direto dos discípulos de Cristo e sabia o que estava falando.

Pessoas de diferentes épocas se encontrarão um dia

Um dia virá o Arrebatamento e o Juízo Final, em que pessoas de diferentes épocas ressuscitarão e se encontrarão, tal como foram em suas únicas vidas na Terra. Com reencarnação, é impossível reunir todos os homens de todas as épocas porque muitas identidades se repetiriam.

“E vi os mortos, grandes e pequenos, que estavam diante de Deus [todos e ressuscitados para o Juízo Final], e abriram-se os livros; e abriu-se outro livro, que é o da vida [que diz quem é salvo]. E os mortos foram julgados pelas coisas que estavam escritas nos livros, segundo as suas obras [livros das suas histórias únicas da Terra]. E deu o mar os mortos que nele havia [todos e como sempre foram nas suas identidades]; e a morte e o inferno deram os mortos que neles havia [homens que tinham ido ao inferno com suas únicas identidades]; e foram julgados cada um segundo as suas obras [juntos, de diferentes épocas e com suas únicas identidades]”. (Apocalipse 20:12,13)

“Porque o Senhor mesmo descerá do céu [Arrebatamento ou 2ª vinda de Cristo] com grande brado, à voz do arcanjo, ao som da trombeta de Deus, e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro [de todas as épocas, juntos e como são]. Depois nós, os que ficarmos vivos seremos arrebatados juntamente com eles, nas nuvens, ao encontro do Senhor nos ares, e assim estaremos para sempre com o Senhor.” (1 Tessalonicenses 4:16-17)

“Ai de ti, Corazin! ai de ti, Betsaida! [cidades presentes à época que Jesus falava] porque, se em Tiro e em Sidom [cidades antiga que já desapareceram], se tivessem operado os milagres que em vós se operaram, há muito elas se teriam arrependido em cilício e em cinza. Contudo, eu vos digo que para Tiro e Sidom haverá menos rigor, no dia do juízo, do que para vós.[tempo futuro, mesma identidade para ambas]” (Mateus 11:22)

“E tu, Cafarnaum [cidade presente que Jesus falava], porventura serás elevada até o céu? até o inferno descerás; porque, se em Sodoma [cidade de gerações anteriores] se tivessem operado os milagres que em ti se operaram, teria ela permanecido até hoje. Contudo, eu vos digo que no dia do juízo [dia futuro] haverá menos rigor para a terra de Sodoma do que para ti [serão julgadas juntas].” (Mateus 11:23-24)

“Os ninivitas [povo de gerações anteriores] se levantarão no juízo com esta geração [geração com quem Jesus falava], e a condenarão; porque se arrependeram com a pregação de Jonas. E eis aqui quem é maior do que Jonas.” (Mateus 12:41)

“A rainha do sul [Rainha de Sabá, de gerações anteriores] se levantará no juízo[dia futuro] com esta geração [geração com quem Jesus falava], e a condenará; porque veio [a mesma rainha] dos confins da terra para ouvir a sabedoria de Salomão [Rei de centenas de anos anteriores]. E eis aqui quem é maior do que Salomão.” (v. 42)

“Ali haverá choro e ranger de dentes quando virdes Abraão, Isaque, Jacó [patriarcas antigos] e todos os profetas, no reino de Deus [de diferentes épocas, como são], e vós [povo presente] lançados fora [mesmas identidades e para sempre].” (Lucas 13:28)

Então os saduceus, que dizem que não há ressurreição, aproximaram-se dele, e perguntaram-lhe, dizendo: Ora, havia sete irmãos, e o primeiro tomou a mulher, e morreu sem deixar descendência; E o segundo também a tomou e morreu, e nem este deixou descendência; e o terceiro da mesma maneira. E tomaram-na os sete, sem, contudo, terem deixado descendência. Finalmente, depois de todos, morreu também a mulher. Na ressurreição, pois, quando ressuscitarem, de qual destes será a mulher? Porque os sete a tiveram por mulher. E Jesus, respondendo, disse-lhes: Porventura não errais vós em razão de não saberdes as Escrituras nem o poder de Deus? Porquanto, quando ressuscitarem dentre os mortos, nem casarão, nem se darão em casamento, mas serão como os anjos que estão nos céus. E, acerca dos mortos que houverem de ressuscitar, não tendes lido no livro de Moisés como Deus lhe falou na sarça, dizendo: Eu sou o Deus de Abraão, e o Deus de Isaque, e o Deus de Jacó? (Marcos 12:18-27)

Os saduceus eram judeus que pensavam que só havia vida aqui na Terra, semelhante aos ateus que concluem que, depois da morte, tudo termina. Pelo texto, eles demonstram estar cientes que Jesus havia dito que as pessoas ressurgiriam, em um tempo depois da morte, do jeitinho que eram. Então um deles tenta apanhar a Jesus num exemplo dizendo de quem seria a esposa quando os sete irmãos ressurgissem (com a mesma identidade anterior). Jesus não disse: “a esposa iria reencarnar”, ou “os irmãos iriam reencarnar” (ter identidade diferente depois da morte), mas sim que na ressurreição todos eles não casariam, pois seriam como os anjos, que não tem relações sexuais.

Porque Jesus fala a expressão “nascer de novo”

“Jesus respondeu, e disse-lhe: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus. Disse-lhe Nicodemos: ‘Como pode um homem nascer, sendo velho? Pode, porventura, tornar a entrar no ventre de sua mãe, e nascer? Jesus respondeu: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer da água e do Espírito, não pode entrar no reino de Deus. O que é nascido da carne é carne, e o que é nascido do Espírito é espírito [traduzindo: “eu não estou me referindo a nascer pela carne, mas outro significado”]. Não te maravilhes de ter dito: Necessário vos é nascer de novo. O Espírito (vento) sopra onde quer, e ouves a sua voz, mas não sabe de onde vem nem para onde vai, assim é todo aquele que é nascido do Espírito.” (João 3:6-8)

Jesus disse que deveríamos “nascer de novo” ou “nascer do Espírito”, além de “nascer da água” (batismo), como condições para entrar no Reino de Deus. E ainda fez um esclarecimento de o que o que ele quer afirma em “nascer do Espírito” não é a mesma coisa quando se nasce da carne (corpo físico, reencarnação). O nascido do espírito é guiado de maneira diferente, pelo Espírito Santo (lembrando que a palavra ‘espírito’ é a mesma que ‘vento’ no original, olhar traduções), como o próprio Jesus era conduzido na Terra.

“Porque o amor de Cristo nos constrange, julgando nós assim: que, se um morreu por todos, logo todos morreram [traduzindo: se um morreu pelos nossos pecados, logo todos aqueles que aceitarem o sacrifício morre (se livra) para o pecado]. E ele morreu por todos, para que os que vivem não vivam mais para si, mas para aquele que por eles morreu e ressuscitou. Assim que daqui por diante a ninguém conhecemos segundo a carne, e, ainda que também tenhamos conhecido Cristo segundo a carne, contudo agora já não o conhecemos deste modo. Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo.” (2 Coríntios 5: 14-17)

Está dizendo que Jesus morreu por amor a nós, para que venhamos a viver para Ele (guiados pelo Espírito). Se (condição) alguém está em Cristo, é nova criatura (espiritualmente). As coisas velhas (pecados, acusações, medo etc.) ficaram pra trás por causa da redenção. Não no sentido físico (carne, reencarnação), mas no sentido espiritual (nascido do Espírito, união com Deus). Somente quem aceita a Jesus tem uma nova vida um novo rumo (nasce de novo).

Existem condições para “nascer de novo” e para a Salvação

Reencarnação não depende de aceitar Jesus, mas salvação sim. Os que crêem em reencarnação por acaso dizem: “aceitem a Jesus para vocês poderem reencarnar”? Não. Mas nós dizemos: “aceitem a Jesus pra ter uma nova vida no Senhor!”.

“Porquanto esta é a vontade de meu Pai: Que todo aquele que vê o Filho e crê nele [condição], tenha a vida eterna; e eu o ressuscitarei no último dia [Arrebatamento, 1Tes.4:16-17].” (João 6:44)

“Na verdade, na verdade vos digo que quem ouve a minha palavra, e crê naquele que me enviou [condição], tem a vida eterna, e não entrará em condenação, mas passou da morte [separado de Deus] para a vida [unido com Deus].” (João 5:24)

“Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça [condição], mas tenha a vida eterna. Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que julgasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele. Quem crê nele não é julgado [condição]; mas quem não crê, já está julgado; porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus.” (João 3:16-18)

Quem está separado espiritualmente de Deus está com o ‘espírito morto’

“Na verdade, na verdade vos digo que quem ouve a minha palavra, e crê naquele que me enviou, tem a vida eterna, e não entrará em condenação, mas passou da morte para a vida [espiritual]. Em verdade, em verdade vos digo que vem a hora, e agora é, em que os mortos ouvirão a voz do Filho de Deus [pessoas ali na sua frente], e os que a ouvirem viverão [tornarão vivos em Deus!].”  (João 5:24-25)

“[parábola do filho de foge da casa o pai] Porque este meu filho estava morto (fora da presença do Pai), e reviveu (voltou à presença do Pai), tinha-se perdido, e foi achado. E começaram a alegrar-se.(…) Mas era justo alegrarmo-nos e folgarmos, porque este teu irmão estava morto, e reviveu; e tinha-se perdido, e achou-se.” (Lucas15:10-30)

“E sairão, e verão os cadáveres dos homens que prevaricaram contra mim; porque o seu verme nunca morrerá [sofrimento eterno], nem o seu fogo se apagará; e serão um horror a toda a carne.” (Isaías 66:24).

“Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas: O que vencer não receberá o dano da segunda morte.” (Apocalipse 2:11)

O que é a “segunda morte” referida acima?

E deu o mar os mortos que nele havia [os corpos das pessoas que haviam morrido na Terra]; e a morte e o inferno deram os mortos que neles havia [pessoas que aguardavam o Juízo Final no inferno]; e foram julgados cada um segundo as suas obras.E a morte e o inferno foram lançados no lago de fogo. Esta é a segunda morte.[apartamento eterno da Presença de Deus]” (Apocalipse 20:14)

Esta expressão significa que a segunda morte é toda a eternidade que os ímpios passarão sofrendo na condenação do Juízo Final.

“Mas, quanto aos tímidos, e aos incrédulos, e aos abomináveis, e aos homicidas, e aos fornicadores, e aos feiticeiros, e aos idólatras e a todos os mentirosos, a sua parte será no lago que arde com fogo e enxofre; o que é a segunda morte.” (Apocalipse 21:8)

Consulta a mortos e contatos com espíritos

Diz nas Escrituras que toda doutrina de o ser humano relacionar-se com supostos espírito de mortos ou mediunidade é uma obra má. Somente é autorizado consultar diretamente a Deus.

“Quando, pois, vos disserem: Consultai os que têm espíritos familiares e os adivinhos, que chilreiam e murmuram [fazem sons tolos]: Porventura não consultará o povo a seu Deus? A favor dos vivos consultar-se-á aos mortos?[Isaías achando um absurdo!] A lei a ao testemunho![vão para a Palavra!] Se eles não falarem segundo esta palavra, é porque não há luz neles [traduzindo:se eles supostos espíritos que vocês acreditam, como se vê,dizem coisas que contradizem as ordenanças do Pai, então saibam que vocês estão em trevas]” (Isaías 8:19-20)       

Em Oséias diz que aquele que quem “consulta a madeira” (ídolos) o “espírito de luxúria” (demônios) de fato responde, e faz as pessoas “apartarem-se da sujeição de Deus” (Oséias 4:12). Devemos ser muito cautelosos com experiências sobrenaturais, pois a Bíblia deixa claro que o diabo é tão astuto que, se for preciso, investe em mudar sua aparência para até mesmo num anjo de Luz a fim de enganar as pessoas. Não adianta dizer: “Ah, assim não vale!”. Pois é assim que está escrito.

“E não é de admirar, porque o próprio Satanás se transforma em anjo de luz.” (2 Coríntios 11:14)

O Senhor condena a prática de consulta aos mortos, considerada abominável. 

Aboliu também Josias os médiuns, os feiticeiros, os ídolos do lar, os ídolos e todas as abominações que se viam na terra de Judá e em Jerusalém, para cumprir as palavras da lei, que estavam escritas no livro que o sacerdote Hilquias achara na Casa do SENHOR.”(2 Reis 23:24)

“Quando entrares na terra que o SENHOR, teu Deus, te der, não aprenderás a fazer conforme as abominações daqueles povos. Não se achará entre ti quem faça passar pelo fogo o seu filho ou a sua filha, nem adivinhador, nem prognosticador, nem agoureiro, nem feiticeiro; nem encantador, nem necromante, nem mágico, nem quem consulte os mortos; (Deuteronômio 18:9-12)

Elias reencarnou em João Batista?

“[disse anjo Gabriel à Isabel]E irá [o menino João Batista] adiante dele [de Jesus] no espírito e virtude de Elias, para converter os corações dos pais aos filhos…” (Lucas 1:17)

“[disse Jesus aos discípulos]E, se quereis dar crédito, é este [referindo a João Batista] o Elias que havia de vir.”(Mateus 11:14)

Olhando estes dois versículos isoladamente parece até que houve mesmo uma reencarnação. Todas as distorções da Palavra ocorrem quando se negligencia parte de sua estrutura (contexto). Vou explicar porque ir no espírito de Elias é uma expressão bíblica que não diz respeito a carne ou reencarnação, e pode ser confortavelmente confirmada como ter a mesma graça que havia sobre Elias, ou melhor, João Batista possuía a porção da unção (legitimidade de autoridade espiritual) em que o Espírito Santo operava através de Elias, o profeta. Ambos eram muito ousados, e confrontavam os reis de suas épocas.

Para esclarecer, vamos tomar como exemplo Eliseu, discípulo de Elias. Este homem havia pedido para o seu mestre o dobro da sua porção da unção do Espírito, antes de Elias partir “num carro de fogo com cavalos de fogo” que veio buscá-lo do céu (2 Reis 2:11).

“Sucedeu que, havendo eles passado, Elias disse a Eliseu: Pede-me o que queres que te faça, antes que seja tomado de ti [foi elevado em vida para o Céu numa carruagem]. E disse Eliseu: Peço-te que haja porção dobrada de teu espírito sobre mim.” (2 Reis 2:9)

Elias não morreu, para ter de reencarnar, mas foi elevado vivo para o Céu. Ele disse para Eliseu que seria “tomado” (v.10) e que “o SENHOR estava para elevar a Elias num redemoinho ao céu” (v.1). Com isso, Eliseu recebeu a porção dobrada do espírito de Elias (unção do Espírito Santo). Elias reencarnou em Eliseu? Claro que não. Eles eram amigos, pessoas diferentes e ninguém morreu!

Sabendo que Elias continuava vivo, muitos judeus pensavam que Jesus estava chamando por ele na Cruz, depois de muitos séculos de Elias ter partido (Mateus 27:27). De fato, Jesus teve um encontro com Elias e Moisés num monte (Mateus 17:3), mas não via seus espíritos. Deus trouxe duas pessoas que ainda conservavam em seus corpos naturais (Pedro quis fazer cabanas para eles v.4). Para completar, o próprio João Batista havia admitido que ele próprio não era Elias (que coisa, não?):

E perguntaram-lhe [para João Batista]: Então quê? És tu Elias? E disse: Não sou. És tu profeta? E respondeu: Não (…)E perguntaram-lhe [para João Batista], e disseram-lhe: Por que batizas, pois, se tu não és o Cristo, nem Elias, nem o profeta?” (João 1:21 e 25)

Arrebatamento sem conhecer a morte não é tão incomum, pois Enoque também ocorreu o mesmo (Gênesis 5:24, Hebreus 11:5).

Repetindo: a porção dobrada (duas vezes) não foi dois espíritos de Elias dentro do corpo de Eliseu, mas o dobro da unção (autoridade espiritual) de Elias, tida como porção do Espírito Santo, ou porção da manifestação do Espírito de Deus. Elias realizou 13 milagres, Eliseu 26!

O único Espírito que faz milagres e obras através dos homens é o Espírito de Deus, como nos discípulos de Cristo:

“Portanto vos quero fazer compreender que ninguém, falando pelo Espírito de Deus, diz: Jesus é anátema! e ninguém pode dizer: Jesus é o Senhor! senão pelo Espírito Santo [não pelo espírito de outra pessoa].” (1 Coríntios 12:3)

“Então Pedro, cheio do Espírito Santo, lhes disse: Autoridades do povo e vós, anciãos,…”(Atos 5:8)

“Os discípulos, porém, estavam cheios de alegria e do Espírito Santo.” (Atos 13:52)

João Batista disse que Jesus não tinha porção do Espírito por medida. Ou seja, todos os profetas tinham porção numa certa medida, mas a de Jesus era plena, porque Deus entregou tudo na sua mão.

“Porque aquele que Deus enviou fala as palavras de Deus; pois não lhe dá Deus o Espírito por medida. O Pai ama o Filho, e todas as coisas entregou nas suas mãos;” (João 3:34-35)

“Porque nele habita corporalmente toda a plenitude da divindade;” (Colossensses 2:9)

Conclusão: João Batista tinha a mesma medida que Elias; Eliseu, contemporâneo de Elias, o seu dobro; Jesus era sem medida!

Mais uma vez, depois da morte vem o juízo

“[Parábola de Cristo] Havia um homem rico, que se vestia de púrpura e de linho finíssimo, e que todos os dias se regalava esplendidamente. Havia também certo mendigo, chamado Lázaro, coberto de chagas, que estava deitado ao seu portão, desejoso de fartar-se com migalhas que caiam da mesa do rico, mas ninguém lhas dava; e os cães vinham lamber-lhe as úlceras.

Morreu o mendigo, e foi levado pelos anjos para o seio de Abraão; morreu também o rico, e foi sepultado. No Hades, estando em tormentos, levantou os olhos e viu ao longe Abraão e a Lázaro no seu seio. E clamou: Pai Abraão, tem compaixão de mim! E manda a Lázaro que molhe a ponta do seu dedo, e me refresque a língua, porque estou atormentado nesta chama!

“Mas Abraão respondeu: Filho, lembra-te de que recebeste os teus bens na tua vida e Lázaro do mesmo modo os males; agora, porém, ele está consolado, e tu em tormentos. Demais, entre nós e vós está firmado um grande abismo, de modo que os que querem passar daqui para vós não podem, nem os de lá passar para nós. Ele replicou: Pai, eu te rogo, então, que os mandes à casa de meu pai (pois tenho cinco irmãos) para os avisar a fim de não suceder virem eles também para este lugar de tormento! Mas Abraão disse: Eles têm Moisés e os profetas; ouçam-nos. Respondeu ele: Não, Pai Abraão, mas se alguém for ter com eles dentre os mortos, hão de se arrepender. Replicou-lhe Abraão: se não ouvem a Moisés e aos profetas tampouco se deixarão persuadir, ainda que ressuscite alguém dentre os mortos.” (Lucas 16:19-31)

As pessoas que abandonarem a Cristo receberão a mesma condenação eterna dos anjos caídos do Céu [demônios]

E vi um grande trono branco, e o que estava assentado sobre ele, de cuja presença fugiu a terra e o céu [o Senhor]; e não se achou lugar para eles.
E vi os mortos, grandes e pequenos, que estavam diante de Deus, e abriram-se os livros; e abriu-se outro livro, que é o da vida. E os mortos foram julgados pelas coisas que estavam escritas nos livros, segundo as suas obras. E deu o mar os mortos que nele havia; e a morte e o inferno deram os mortos que neles havia; e foram julgados cada um segundo as suas obras. E a morte e o inferno [os demônios] foram lançados no lago de fogo. Esta é a segunda morte. E aquele que não foi achado escrito no livro da vida foi lançado no lago de fogo. (Apocalipse 20:11-15)

“Então dirá o Rei [Jesus] aos que estiverem à sua direita: Vinde, benditos de meu Pai, possuí por herança o reino que vos está preparado desde a fundação do mundo[irão para o lugar que Deus sempre sonhou que todos vivessem];” 
(Mateus 25:34)

“Então dirá também aos que estiverem à sua esquerda: Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos [irão para o mesmo lugar que Deus havia destinado a Satanás]” 
(Mateus 25:41)

“E aos anjos que não guardaram o seu principado, mas deixaram a sua própria habitação [do Céu pela rebeldia], reservou na escuridão e em prisões eternas [no inferno] até ao juízo daquele grande dia [Juízo Final]; Assim como Sodoma e Gomorra, e as cidades circunvizinhas, que, havendo-se entregue à fornicação como aqueles, e ido após outra carne, foram postas por exemplo, sofrendo a pena do fogo eterno [foram lançados no inferno]. E, contudo, também estes [homens deste tempo], semelhantemente adormecidos [sem noção do que fazem], contaminam a sua carne, e rejeitam a dominação, e vituperam as dignidades.(…) [são]estrelas errantes, para os quais está eternamente reservada a negrura das trevas [condenação eterna].” (Judas 1:6-8,13b)

Porque, se a palavra falada pelos anjos permaneceu firme, e toda a transgressão e desobediência recebeu a justa retribuição [a condenação dos anjos caídos],
Como escaparemos nós, se não atentarmos para uma tão grande salvação [do Juízo Final], a qual, começando a ser anunciada pelo Senhor [Jesus], foi-nos depois confirmada pelos que a ouviram [seus seguidores]; Testificando também Deus com eles, por sinais, e milagres, e várias maravilhas e dons do Espírito Santo, distribuídos por sua vontade? (Hebreus 2:2-4)